sábado, 23 de agosto de 2014

Eloy - Planets [REMASTERED WITH BONUS TRACK] [1981] - Germany / Alemanha


"... Um brilho incrível que brilha através do céu me atrai fortemente como um santuário obscuro ..." (Frank Bornemann)

No momento em que este álbum foi lançado, o Punk e bandas New Wave como THE HUMAN LEAGUE, Robert Palmer, B 52'S, DURAN DURAN e outras de estilo mais "oitentista" dominavam as estações de rádio. No mesmo período, o GENESIS lançou "Abacab", e talvez tenha sido a única banda de Prog Rock lendária a lançar um bom álbum de estúdio. O estilo estava praticamente morto e fora do circuito mainstream.

Com "Planets" ELOY definitivamente ou (parcialmente) encontrou uma nova direção. A primeira parte de um trabalho duplo álbum conceitual baseado em uma história de ficção científica por Frank Bornemann sobre a eterna batalha do bem e do mal em um planeta chamado" Salta", instalado no sistema solar de Hel, o maior sistema solar do universo. O seguinte "Time to Turn" (compõe a segunda e última parte deste conceito de ficção científica).

O Som célebre e costumeiro da banda ficou mais refinado, não mudou. Os anos oitenta não parecem ter contaminado a essência do ELOY. Nesse disco suas composições ficaram especialmente cheias de intervenções e acompanhamentos orquestrados o que gerou um Rock Progressivo Sinfônico Espacial, pouco explorado por muitos grupos.

"Introduction" fornece uma abertura que dá o tom para o álbum. Uma atmosfera de sonho e de viagem nos confins do universo, entre uma estrela e outra, com chuvas de meteoros ocasionais.

A segunda trilha (apaixonante por sinal) "On The Verge Of Darkening Lights", é uma música edificante que começa lindamente num Space Rock de altíssimo astral. Os teclados dominam a música. A qualidade vocal é muito boa e potente. Perfeita! O solo de teclado depois de dois versos de passagem é simples, mas é muito agradável e potencializa-se com o baixo e a marcação da bateria. A música geral é realizada num estilo enérgico.

A próxima faixa, "Point Of No Return", continua com uma transição de teclados de estilo excêntrico e entra em um ritmo mais lento. A beleza desta trilha encontra-se no som do teclado na parte de background que alterna com a linha de voz. É uma ótima composição e tem uma excelente melodia. A guitarra só é utilizada para acentuar a música. O baixo desempenha um papel importante aqui marcando o ritmo "semi-marcial". A Composição geral desta faixa pode ser considerada como um Symphonic-Space-Rock.

"Mysterious Monolith" começa com uma boa combinação entre guitarra dedilhada e os teclados extremamente suaves, acompanhados por um um poderoso vocal nesta parte mais tranquila. A música flui em um ritmo lento, com bom trabalho de guitarra e o baixo que se torna mais um destaque aqui. Em sua segunda parte o ritmo contagiante e mais agitado e a "exploração" de teclado no meio da pista é simples e melódico. Mais uma peça de Space Rock sensacional onde as variações de ritmo e pequenas nuances de teclados surpreendem o tempo todo.

"Queen Of The Night" é uma canção com uma abertura muito melódica, com um suporte de orquestração sinfônica. Os movimentos crescem com backing vocals femininos. Soa um pouco Pop, mas é muito boa e agradável. A orquestração ajuda muito no fortalecimento da composição, em geral, lembrando uma espécie de ELETRIC LIGHT ORCHESTRA, mas com um humor Spacey.  Além da orquestra simples, a qualidade vocal é adorável.

"At The Gates Of Dawn" é uma faixa instrumental com um piano suave, base de teclado e guitarra realizados em uma forma bem "madura". A melodia é realizada através do som do teclado ao fundo. Ele dá uma nuance espacial da canção. Uma orquestração é adicionada no meio da trilha, trazendo nuances utilizadas em "Dawn". No geral, esta faixa fornece uma excelente pausa para o álbum como um todo.

"Sphinx" é uma música em ritmo médio, bem melódica, usando o teclado como o principal pilar da estrutura. Mais uma vez, a banda apresenta um belíssima passagem no meio da trilha, onde ela se transforma em uma peça mais tranquila com vocal acompanhado pelos teclados. Há um solo de bateria simples que se encaixa em toda a estrutura da canção. Excelente! Maravilhosa! Talvez a melhor faixa do disco.

"Carried By Cosmic Winds" é uma canção muito bonita abrindo com um teclado melódico após sopros de um vento sideral. A qualidade vocal é muito boa. Quando a música entra com todos os instrumentos, o som de órgão serve como melodia principal e os solos de teclados acompanham em apoio vozes femininas. Os teclados emulam violoncelos e violinos proporcionando um sabor orquestração para a música. Excelente!

No geral, é um disco altamente recomendado. Apesar da sua composição relativamente simples, o álbum compreende excelentes faixas que formam uma música coesa como um todo. A banda juntamente com a gravadora EMI nos deliciaram com uma excelente reedição remasterizada com uma faixa bônus  gravada ao vivo. 

INDISPENSÁVEL!


Tracks:
1. Introduction (1:58)
2. On The Verge Of Darkening Lights (5:37)
3. Point Of No Return (5:45)
4. Mysterious Monolith (7:40)
5. Queen Of The Night (5:22)
6. At The Gates Of Dawn (4:17)
7. Sphinx (6:50)
8. Carried By Cosmic Winds (4:32)
Bonus Track:
9. On The Verge Of Darkening Lights (live 1983) (4:09)
Total Time: 46:10

Musicians:
- Hannes Arkona / guitars, keyboards
- Frank Bornemann / vocals, guitars
- Hannes Folberth / keyboards
- Klaus-Peter Matziol / basses, vocals
- Jim McGillivray / drums, percussion

Release/Label: Harvest ‎– 7243 5 6 3776 2 2 - Europe, 2005

Format: flac (image + cue) = 355 mb = part 1 / part 2 / part 3 / pass = makina
Format: flac (image + cue) = 496 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 179 mb = Mega

2 comentários:

  1. Great site but could you tell me the password you use for your posts especially the Eloy ones please :-)

    ResponderExcluir

Comente e Participe

Pesquisar este blog

WORLD