Mostrando postagens com marcador -France / França-. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador -France / França-. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Asia Minor - Between Flesh And Divine [1980] - France / França


  

Este é um dos meus álbuns favoritos, e, embora seja muito curto e a última faixa, "Dreadful Memories", seja um desperdício, ele merece nota 10, porque o resto é excepcional, tanto por pura qualidade e também para o fato de que ele apareceu em 1981, e todos nós sabemos o que a maioria das "grandes" bandas estavam fazendo em 1981. P maravilhoso Prog roda a la King Crimson (ambos ITCOCK e "Red") encontrando Camel, com um pouco da autêntica etnia Turca, resultando em um estilo que eu chamo apropriadamente como Asia Minor. Lotes de angularidade em guitarras, mas também intensamente melódico com os sopros abundantes e mellotrons ocasionais e outros teclados. O vocalista soa um pouco como Andy Latimer, mas um pouco mais forte e com apenas um traço de sotaque. Embora esses caras estavam com sede na França, você tem nenhuma das características do histrionismo do Prog Francês. Este é o resultado de uma banda tocando juntos como uma equipe.

"Nightwind" abre o disco é uma boa representante do que este álbum é. Camadas de guitarras e sintetizadores até que apenas um piano e flauta permanecem, que servem como uma breve introdução à seção lírica. Os vocais de Setrak Bakirel com a segunda secção instrumental mais vibrante, apresenta uma seção rítmica pesada e um trabalho a la Jethro Tull na flauta. A seção instrumental final é um pouco repetitiva, mas bem escrita e, certamente, não é desagradável.

"Northern Lights" sintetizador em uma melodia melancólica na flauta introduzem uma passagem mais sinistra e energética, que é uma reminiscência de algumas das peças mais dark do terceiro álbum de estúdio de Steve Hackett. Logo, o momento mais pesado passa, deixando uma seção mais sutil, sobre a qual os vocais finalmente entram.

"Boundless" Essa música é tão curta como é simples. Aqui, o sotaque de Bakirel mais se destaca. Ao longo de um acorde de progressão simples, a secção instrumental no final baseia-se em sintetizadores e belas harmonias.

"Dedicace" A guitarra baixo se destaca como em "Nightwind", mas a flauta ainda está muito no centro das atenções. A música também se baseia em um trabalho de sintetizador pesado. 

"Lost in a Dream Yell" tem abertura atmosférica. A música é mais minimalista do que em outras faixas, contando com uma guitarra elétrica limpa e sintetizador. Flauta suave assume ao meio, e um tambor em marcha sobe eventualmente, a construção de um som mais forte.

"Dreadful Memories" A única pista completamente instrumental no álbum, com base em torno de uma guitarra elétrica e baixo compartilhando o mesmo riff. Órgão salta depois, servindo apenas para engrossar o som. O problema com esta peça, concisa, é que ela é totalmente repetitiva. O riff principal é desempenhado por toda parte, e até mesmo o trabalho de teclado deixa de trazer muita variedade.

Apesar de seus poucos 34 minutos de duração, o disco é de tanta qualidade que isso pode ser perdoado. Altamente recomendado para quem gosta de Prog Sinfônico com muitas texturas e tonalidades.


Tracks:
1. Nightwind (6:23) 
2. Northern Lights (7:45) 
3. Boundless (3:00) 
4. Dedicace (6:11) 
5. Lost In A Dream Yell (7:42) 
6. Dreadful Memories (3:00) 
Total Time: 34:01

Line-up:
- Setrak Bakirel / voice, guitars, bass 
- Lionel Beltrami / drums, percussion 
- Robert Kempler / keyboards, bass 
- Eril Tekeli / guitars, flute 

Format: flac (tracks + cue) =233 mb = Torrent
Format: mp3 (128 kbps) = 90 mb = Narod

BIOGRAPHY & DISCOGRAPHY

Asia Minor - Between Flesh And Divine [1980] - France / França


  

Este é um dos meus álbuns favoritos, e, embora seja muito curto e a última faixa, "Dreadful Memories", seja um desperdício, ele merece nota 10, porque o resto é excepcional, tanto por pura qualidade e também para o fato de que ele apareceu em 1981, e todos nós sabemos o que a maioria das "grandes" bandas estavam fazendo em 1981. P maravilhoso Prog roda a la King Crimson (ambos ITCOCK e "Red") encontrando Camel, com um pouco da autêntica etnia Turca, resultando em um estilo que eu chamo apropriadamente como Asia Minor. Lotes de angularidade em guitarras, mas também intensamente melódico com os sopros abundantes e mellotrons ocasionais e outros teclados. O vocalista soa um pouco como Andy Latimer, mas um pouco mais forte e com apenas um traço de sotaque. Embora esses caras estavam com sede na França, você tem nenhuma das características do histrionismo do Prog Francês. Este é o resultado de uma banda tocando juntos como uma equipe.

"Nightwind" abre o disco é uma boa representante do que este álbum é. Camadas de guitarras e sintetizadores até que apenas um piano e flauta permanecem, que servem como uma breve introdução à seção lírica. Os vocais de Setrak Bakirel com a segunda secção instrumental mais vibrante, apresenta uma seção rítmica pesada e um trabalho a la Jethro Tull na flauta. A seção instrumental final é um pouco repetitiva, mas bem escrita e, certamente, não é desagradável.

"Northern Lights" sintetizador em uma melodia melancólica na flauta introduzem uma passagem mais sinistra e energética, que é uma reminiscência de algumas das peças mais dark do terceiro álbum de estúdio de Steve Hackett. Logo, o momento mais pesado passa, deixando uma seção mais sutil, sobre a qual os vocais finalmente entram.

"Boundless" Essa música é tão curta como é simples. Aqui, o sotaque de Bakirel mais se destaca. Ao longo de um acorde de progressão simples, a secção instrumental no final baseia-se em sintetizadores e belas harmonias.

"Dedicace" A guitarra baixo se destaca como em "Nightwind", mas a flauta ainda está muito no centro das atenções. A música também se baseia em um trabalho de sintetizador pesado. 

"Lost in a Dream Yell" tem abertura atmosférica. A música é mais minimalista do que em outras faixas, contando com uma guitarra elétrica limpa e sintetizador. Flauta suave assume ao meio, e um tambor em marcha sobe eventualmente, a construção de um som mais forte.

"Dreadful Memories" A única pista completamente instrumental no álbum, com base em torno de uma guitarra elétrica e baixo compartilhando o mesmo riff. Órgão salta depois, servindo apenas para engrossar o som. O problema com esta peça, concisa, é que ela é totalmente repetitiva. O riff principal é desempenhado por toda parte, e até mesmo o trabalho de teclado deixa de trazer muita variedade.

Apesar de seus poucos 34 minutos de duração, o disco é de tanta qualidade que isso pode ser perdoado. Altamente recomendado para quem gosta de Prog Sinfônico com muitas texturas e tonalidades.


Tracks:
1. Nightwind (6:23) 
2. Northern Lights (7:45) 
3. Boundless (3:00) 
4. Dedicace (6:11) 
5. Lost In A Dream Yell (7:42) 
6. Dreadful Memories (3:00) 
Total Time: 34:01

Line-up:
- Setrak Bakirel / voice, guitars, bass 
- Lionel Beltrami / drums, percussion 
- Robert Kempler / keyboards, bass 
- Eril Tekeli / guitars, flute 

Format: flac (tracks + cue) =233 mb = Torrent
Format: mp3 (128 kbps) = 90 mb = Narod

BIOGRAPHY & DISCOGRAPHY

domingo, 2 de agosto de 2015

Asia Minor - Crossing The Line [1979] - France-Turkey / França-Turquia


Asia Minor é uma banda formada em Paris por volta de meados dos anos 70 por três emigrantes turcos, o guitarrista / flautista Erik Tekeli, o guitarrista / cantor Setrak Bakirel e baterista Can Kozlu. Em 1976 Kozlu foi substituído por Lionel Beltrami, e a banda começou a gravar suas primeiras faixas, misturando Prog Clássico com alguns sons étnicos da Turquia. Três faixas da banda tiveram colaboração do tecladista Nicolas Vicente. Nenhuma gravadora se interessou por seu trabalho, então a banda lançou por conta própria seu debut "Crossing the Line" durante a primavera de 1979. Mais recentemente o álbum foi relançado em CD e vinil pelo selo Musea Records.

Um bom álbum de fato, "Crossing the Line" é muitas vezes uma mistura emocionante de melódico Rock Progressivo com uma abordagem à la Camel e os aspectos mais sombrios do estilo, um pouco em uma veia King Crimson e adicionando algumas músicas étnicas profundas aqui e ali. O som é conduzido pelas guitarras e flautas com longas peças instrumentais e interplays profissionais entre os dois instrumentos em uma seção de estilo sinfônico. O ritmo (com Bakirel fornecendo as linhas de baixo) é bastante dinâmico, com linhas de baixo profundas e muitas vezes o grande "rufar" de teclados de Beltrami. Unidades de flauta pesadas Folk e uma boa quantidade de quebras e "batalhas" oferecem uma série de momentos fascinantes. Os vocais são em Inglês, sem sinais de um sotaque irritante, mas também em Turco em um par de faixas. Apenas como falha podemos citar, o som ruim das partes de teclado, sendo o outro a produção medíocre no geral, uma evidente problema em relação a muitos álbuns Prog até o final dos anos 70.

"Crossing the Line" é uma bela realização de Classic Rock Progressivo por uma talentosa banda, que não conseguiu atrair em torno do período de seu lançamento, mas acabou por ser um vencedor através de areias do tempo. Recomendado.



Tracks:
1. Preface (4:18)
2. Muhzun Gozler (8:13)
3. Mystic Dance (1:45)
4. Misfortune (4:30)
5. Landscape (3:50)
6. Vision (5:35)
7. Without Stir (1:50)
8. Hayal Dolu Gunler Icin (4:38)
9. Postface (2:00)
Time: 35:19

Musicians:
- Eril Tekeli / flute, guitars, bass
- Setrak Bakirel / lead vocals, guitars, bass
- Lionel Beltrami / drums, percussion
+
Guest musician:
- Nick Vicente / keyboards

Format: ape (image) = 220 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 91 mb

Asia Minor - Crossing The Line [1979] - France-Turkey / França-Turquia


Asia Minor é uma banda formada em Paris por volta de meados dos anos 70 por três emigrantes turcos, o guitarrista / flautista Erik Tekeli, o guitarrista / cantor Setrak Bakirel e baterista Can Kozlu. Em 1976 Kozlu foi substituído por Lionel Beltrami, e a banda começou a gravar suas primeiras faixas, misturando Prog Clássico com alguns sons étnicos da Turquia. Três faixas da banda tiveram colaboração do tecladista Nicolas Vicente. Nenhuma gravadora se interessou por seu trabalho, então a banda lançou por conta própria seu debut "Crossing the Line" durante a primavera de 1979. Mais recentemente o álbum foi relançado em CD e vinil pelo selo Musea Records.

Um bom álbum de fato, "Crossing the Line" é muitas vezes uma mistura emocionante de melódico Rock Progressivo com uma abordagem à la Camel e os aspectos mais sombrios do estilo, um pouco em uma veia King Crimson e adicionando algumas músicas étnicas profundas aqui e ali. O som é conduzido pelas guitarras e flautas com longas peças instrumentais e interplays profissionais entre os dois instrumentos em uma seção de estilo sinfônico. O ritmo (com Bakirel fornecendo as linhas de baixo) é bastante dinâmico, com linhas de baixo profundas e muitas vezes o grande "rufar" de teclados de Beltrami. Unidades de flauta pesadas Folk e uma boa quantidade de quebras e "batalhas" oferecem uma série de momentos fascinantes. Os vocais são em Inglês, sem sinais de um sotaque irritante, mas também em Turco em um par de faixas. Apenas como falha podemos citar, o som ruim das partes de teclado, sendo o outro a produção medíocre no geral, uma evidente problema em relação a muitos álbuns Prog até o final dos anos 70.

"Crossing the Line" é uma bela realização de Classic Rock Progressivo por uma talentosa banda, que não conseguiu atrair em torno do período de seu lançamento, mas acabou por ser um vencedor através de areias do tempo. Recomendado.



Tracks:
1. Preface (4:18)
2. Muhzun Gozler (8:13)
3. Mystic Dance (1:45)
4. Misfortune (4:30)
5. Landscape (3:50)
6. Vision (5:35)
7. Without Stir (1:50)
8. Hayal Dolu Gunler Icin (4:38)
9. Postface (2:00)
Time: 35:19

Musicians:
- Eril Tekeli / flute, guitars, bass
- Setrak Bakirel / lead vocals, guitars, bass
- Lionel Beltrami / drums, percussion
+
Guest musician:
- Nick Vicente / keyboards

Format: ape (image) = 220 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 91 mb

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Step Ahead - Step Ahead [1982] [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] - France / França



Esta é uma maravilha de um "tiro só" da França que tem uma vasta série de aspectos positivos, tudo, desde a magnífica arte da capa, um guitarrista impressionante e muito rápido, uma mulher (que é raro!) tecladista, uma produção de um ano muito "magro" (1982), um cantor irlandês que é um cruzamento entre Jon Anderson e o REO Speedwagon Kevin Cronin e um instrumental exemplar.  Essas características sozinhas merecem reconhecimento, mas verdade é que o material apresentado aqui é irrepreensível, com idéias interessantes, contrastes tonais ferozes e humor repleto de congestionamento (muito Francês). Este é um daqueles álbuns Prog sinfônicos seminais que definem o valor de sua coleção!

As faixas fluem de um para outra com delicadeza, destacando a voz subindo, a guitarra sizzling interferindo com os teclados exuberantes e, claro, uma seção rítmica sólida. O esplendor inicial do violão e piano abertura em "Eyes" deve ser suficiente para cativar o ouvinte a partir da primeira audição e, em seguida, rapidamente sucumbem à guitarra, o ataque poli-rítmico complexo e o cenário grandioso sinfônico. Nenhuma outra palavra do que bonito vai se aplicar aqui! Quando Danny Brown pega o microfone, o passeio eufórico realmente toma conta.

A segunda faixa e mais longa do disco tem mais de 8 minutos, "Right or Wrong" é definitivamente um destaque, um mundo épico onde synths arejados introduzem uma guitarra irada, corajosamente sedutora, pavimentando a estrada para uma intensa performance vocal, estranhamente muito familiar ainda totalmente convincente.

A bluesy "Thinking" é levada para outro nível, com um coro sublime e uma linha vocal absurda!

A serena "Heaven" desacelera o ritmo com um "etude" pastoral na guitarra acústica, tic-tac rufando inaugurando uma surra frenética, assustadora órgão / sintetizador, soando mais como universo de Satanás do que o jardim celestial que o título implica.

Em consonância com sua missão de procurar constantemente novos horizontes, "Eleven Days" tem um tom oriental que evolui para uma convenção mais Rock, em seguida, reverte para atmosferas pastorais que sobrecarregam a alma, usando a pura simplicidade de notas lindas tocadas com sentimento.

"Hell" é exatamente o oposto de "Heaven" descrito anteriormente, uma peça de guitarra cristalina doce que acalma a alma em bênção arrebatadora, usando orquestrações de violoncelo para aumentar a glória.

"White Lady" é o mais perto que eles chegaram de uma música mais acessível, um coro instantâneo e um verso que cai facilmente na lembrança, mas embasados num instrumental interessante. Para coroar a emoção, um superlativo  solo de guitarra o golpe final.

"The End" simplesmente serve para encapsular o talento tremendo que nunca foi além deste álbum mágico, Robin e Truchi trocam alguns solos viciosos, totalmente em liga com o outro.

"The End" não é realmente o fim, como este relançamento tem 5 faixas bônus em sua maioria versões ao vivo de "Heaven", "White Lady" e "The End" (provando que tinha a competência para um cenário ao vivo !), bem como duas faixas com cerca de 4 minutos, nunca antes registrada em outros lugares, " The sun will rise again" e "Shangri-La".

Tracks:
1. Eyes (4:39) 
2. Right or wrong (8:17) 
3. Thinking (5:47) 
4. Heaven (3:09) 
5. Eleven days (4:06) 
6. Hell (2:06) 
7. White lady (3:55) 
8. The end (7:49) 
Bonus tracks: 
9. Heaven (live) (4:11) 
10. White lady (live) (5:26) 
11. The end (live) (7:50) 
12. The sun will rise again (4:02) 
13. Shangri-la (4:23)
Time: 55:39

Line-up / Musicians
- Danny Brown / vocals, tambourine 
- Claude-Marius David / flute (3) 
- Jean-Yves Dufournier / drums (1 to 8) 
- Antoine Ferrera / bass (1 to 8) 
- Alain Lejeune / keyboards (9 to 13) 
- Gérald Macia / acoustic guitars 
- Thomas Quef / child voice (4-8) 
- Philippe Recht / bass (9 to 13) 
- Emmanuel Riquier / drums (9 to 13) 
- Christian Robin / electric guitars 
- Geneviève Teulière / cello (5-6) 
- Claude Truchi / keyboards (1 to 8)

Format: mp3 (320 kbps) = 90 mb = Yandex

Step Ahead - Step Ahead [1982] [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] - France / França

domingo, 28 de junho de 2015

Vent D'Est - Vent D'Est [1980] - France / França



Sobre estes representantes da cena Art-Rock francesa é conhecido muito pouco ou quase nada. Sim, não é surpreendente, uma vez que a contribuição do conjunto Vent D'est (Vento do Leste) na história do Rock Progressivo é surpreendentemente modesta: apenas um álbum auto-intulado. É uma pena, porque sua música não é desprovida de beleza e melodia. O grupo era composto de dois guitarristas: Christian Devaux e Jean-Luc Vysotsky, Patrice Witt tecladista, o baterista Jean-Marc Fisher e o baixista Jean-Louis Sigle.

As partes vocais do sexo masculino e feminino, cantam muito bem, em sua língua nativa, então em Inglês. Os solos de guitarra seguem cuidadosamente os cânones estabelecidos por Andy Latimer (Camel). No entanto, não atingem o nível dos grandes instrumentistas. Mas parece que a intenção do grupo não era criar grandes épicos e sim trazer à tona peças emocionais e muito bem tocadas.

Vale o download.



Tracks:
1. Traveller
2. La Toile
3. Your Eyes
4. La Dame En Noir
5. La Madonne Des Sleepings
6. California's Calling
7. Eastwind
8. Nighttime
Musicians:
 – Christian Devot: Acoustic Guitar, Vocals
 – Jean-Luc Siegler: Bass [Fretless]
 – Jean-Marc Fischer: Drums
 – Jean Luc Wysocki*: Electric Guitar, Guitar Synthesizer, Vocals
 – Patrice Witt: Keyboards, Synthesizer, Piano

Format: flac (tracks) = 283 mb =  Mega
Format: flac (tracks) = 283 mb = Yandex
Format: mp3 (320 kbps) = 133 mb = Mega

Vent D'Est - Vent D'Est [1980] - France / França

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Ange - Le Cimetière des Arlequins [1973] - France / França


O segundo álbum do Ange foi lançado em 73 pela etiqueta Phillips, mas, aparentemente, o rótulo não quis investir muito dinheiro nas sessões de gravação do grupo e o álbum soa abafado em alguns momentos. Como uma obra de arte selvagem, o inalterado line-up gravou sete músicas na sua maioria mais curtas (sendo que três faixas combinam em uma mini-suite de 11 minutos; e a última faixa chega próximo aos 9 minutos.

1. "Ces Gens-La" (04:47): É um cover da famosa cantora belga Jacques Brel, sua abordagem emocional deve-se a Christian Decamps com seus vocais fortes e expressivos, possui ondas maravilhosas de órgão suave e trabalho de guitarra elétrica.

2. "Aujourd'hui c'est la Fête chez l'Apprenti-Sorcier" (03:25): É uma música curta mas variada, de bom gosto colorido pelo órgão e vocais teatrais.

3. "Bivouac - 1ère partie" (05:32): Uma canção Ange típica com muita dinâmica e um tom psicodélico, a palavra "Bivouac" é cantada como "Hallelujah". O som do órgão, guitarra ritmo e bateria são quase hipnotizantes, incluindo um grande duelo de órgão / guitarra wah-wah.

4. "L'Espionne Lesbienne" (2:52): Uma estranha pista com violão, flauta e vocais engraçados.

5. "Bivouac final" (03:02): Posssui um clima atraente que caracteriza uma secção de ritmo de propulsão e um órgão sensacional, uma distorcida guitarra elétrica (wah-wah) também está presente.

6. "De Temps en Temps" (04:08): Essa música tem um ritmo lento com um órgão exuberante e vocais fortes e variados (teatral, quente, dramático), no meio do caminho, um solo de guitarra elétrica curto mas ardente.

7. "La Route aux Cyprès" (3:18): Esta é uma faixa de bonita sonoridade, romântica com vocais quentes,guitarra acústica agradável e flauta.

8. "Le Cimetière des Arlequins" (08:46): A primeira parte desta longa faixa-título soa um pouco subjugada, mas no meio do caminho, gradualmente, a atmosfera torna-se mais "bombástica psicodélica" com um grande som de órgão e vocais teatrais. A parte final contém sons estranhos.

Um bom álbum com muitos momentos finos, mas também algumas partes menos cativantes, .. na minha opinião.


Tracks:
1. Ces Gens-Là (4:47)
2. Aujourd'hui c'est la Fête chez l'Apprenti-Sorcier (3:25)
3. Bivouac - 1ère partie (5:32)
4. L'Espionne Lesbienne (2:52)
5. Bivouac Final (3:02)
6. De Temps en Temps (4:08)
7. La Route aux Cyprès (3:18)
8. Le Cimetière des Arlequins (8:46)
Time: 35:50

Musicians:
- Christian Decamps / Organ Hammond, piano, lead vocal
- Francis Decamps / organ special effects, Mellotron, vocal
- Jean-Michel Brezovar / solo guitar, flute, vocal
- Gérard Jelsh / drums, percussion
- Daniel Haas / bass guitar, acoustic guitar

Format: flac (image + cue) = 202 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 93 mb = Mega

Ange - Le Cimetière des Arlequins [1973] - France / França


O segundo álbum do Ange foi lançado em 73 pela etiqueta Phillips, mas, aparentemente, o rótulo não quis investir muito dinheiro nas sessões de gravação do grupo e o álbum soa abafado em alguns momentos. Como uma obra de arte selvagem, o inalterado line-up gravou sete músicas na sua maioria mais curtas (sendo que três faixas combinam em uma mini-suite de 11 minutos; e a última faixa chega próximo aos 9 minutos.

1. "Ces Gens-La" (04:47): É um cover da famosa cantora belga Jacques Brel, sua abordagem emocional deve-se a Christian Decamps com seus vocais fortes e expressivos, possui ondas maravilhosas de órgão suave e trabalho de guitarra elétrica.

2. "Aujourd'hui c'est la Fête chez l'Apprenti-Sorcier" (03:25): É uma música curta mas variada, de bom gosto colorido pelo órgão e vocais teatrais.

3. "Bivouac - 1ère partie" (05:32): Uma canção Ange típica com muita dinâmica e um tom psicodélico, a palavra "Bivouac" é cantada como "Hallelujah". O som do órgão, guitarra ritmo e bateria são quase hipnotizantes, incluindo um grande duelo de órgão / guitarra wah-wah.

4. "L'Espionne Lesbienne" (2:52): Uma estranha pista com violão, flauta e vocais engraçados.

5. "Bivouac final" (03:02): Posssui um clima atraente que caracteriza uma secção de ritmo de propulsão e um órgão sensacional, uma distorcida guitarra elétrica (wah-wah) também está presente.

6. "De Temps en Temps" (04:08): Essa música tem um ritmo lento com um órgão exuberante e vocais fortes e variados (teatral, quente, dramático), no meio do caminho, um solo de guitarra elétrica curto mas ardente.

7. "La Route aux Cyprès" (3:18): Esta é uma faixa de bonita sonoridade, romântica com vocais quentes,guitarra acústica agradável e flauta.

8. "Le Cimetière des Arlequins" (08:46): A primeira parte desta longa faixa-título soa um pouco subjugada, mas no meio do caminho, gradualmente, a atmosfera torna-se mais "bombástica psicodélica" com um grande som de órgão e vocais teatrais. A parte final contém sons estranhos.

Um bom álbum com muitos momentos finos, mas também algumas partes menos cativantes, .. na minha opinião.


Tracks:
1. Ces Gens-Là (4:47)
2. Aujourd'hui c'est la Fête chez l'Apprenti-Sorcier (3:25)
3. Bivouac - 1ère partie (5:32)
4. L'Espionne Lesbienne (2:52)
5. Bivouac Final (3:02)
6. De Temps en Temps (4:08)
7. La Route aux Cyprès (3:18)
8. Le Cimetière des Arlequins (8:46)
Time: 35:50

Musicians:
- Christian Decamps / Organ Hammond, piano, lead vocal
- Francis Decamps / organ special effects, Mellotron, vocal
- Jean-Michel Brezovar / solo guitar, flute, vocal
- Gérard Jelsh / drums, percussion
- Daniel Haas / bass guitar, acoustic guitar

Format: flac (image + cue) = 202 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 93 mb = Mega

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Wurtemberg - Rock Fantasia Opus 9 - France / França




WURTTEMBERG é o projeto musical do criador de instrumentos Alain Carbonare. Se você não conhecer esse nome, ele é mais conhecido internacionalmente pela confecção e reprodução de seus próprios instrumentos de estilo "tradicionais", como o dulcimer, o saltério, a harpa, entre outros. 

O grupo coloca uma forte ênfase nos arranjos sofisticados, como partes agradáveis ​​na guitarra acústica e autênticos instrumentos de corda medievais.

A música do disco "Rock Fantasia Opus 9" é uma fusão de Música Clássica, Música Renascebtista, Folk francês e Rock Progressivo. A música é calma e arejada, com uma grande quantidade de ar entre as cordas e o piano. Agradará em cheio os fãs de bandas como Clearlight, Gryphon, After Crying, Malicorne e Minimun Vital. Um complemento essencial para qualquer coleção de música sinfônica francesa. Por isso não perca! 



Tracks:
1. Rock-opus 7 (5:39)
2. Sous-Titre (2:10)
3. Berceuse Gratinee (2:24)
4. Prefixe et Danse (3:32)
5. Allemandes (2:21)
6. Concerto Pour un Minot (5:37)
7. Invitation (3:04)
8. Rock-opus 1 (7:13)
9. Cantate 147 (3:54)
10. Extrait (1:51)
Time: 37:45

Musicians:
- Alain Carbonaire / organs & piano, acoustic guitar, lyre, bass-tenor psaltery
- Bernard Maitre / synthesizers, dulcimer, xylophone
- Gilles Michault-Bonnet / flute & saxophone
- Michel Richard / electric guitar, soprano psaltery
- Alain Demeusy / bass (of Iris)
- Jean-Pierre Garbin / drums (ex-Ange)
- Jean-Marie Hausser / drums

Format: flac (tracks + cue) = 267 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 118 mb = Mega

Wurtemberg - Rock Fantasia Opus 9 - France / França


terça-feira, 12 de maio de 2015

Memoriance - L'Écume des Jours d'Apres Boris Vian [1979] - France / França




Depois de seu disco de estréia, o francês MEMORIANCE sofreu algumas mudanças na sua formação, com o baterista Didier Busson sendo substituído por Christopher Boulanger e Pascal Liberge entrou na banda como tecladista, ao lado de Jean-François Périer. Em seguida gravaram seu segundo disco "L'Ecume des jours d'après Boris Vian" que é um álbum conceitual, baseado no romance filosófico "L'Ecume des jours" do escritor Boris Vian lançado em 1947. A sonoridade do disco continua sendo um Progressivo Sinfônico misturado a outros estilos com a presença de uma guitarra marcante bem no estilo de Steve Hackett e melodiosos sintetizadores.

Não é um disco tão bom quanto o primeiro lançamento da banda mas cumpre seu papel. Uma caracterísitca interessante deste álbum é a curta duração das faixas, raramente excedendo os quatro  minutos de duração. Recomendado aos apreciadores do Simphonic Prog francês.




Tracks:
1. Préface (0:59)
2. Colin (2:14)
3. Une Fille Demain (2:25)
4. Chloé et Colin (3:36)
5. Le Nuage Rose (2:16)
6. Chloé (2:14)
7. Oui Oui Oui (1:49)
8. Le Petit Tas de Neige (4:11)
9. Une Femme Si Béte (4:26)
10. Le Nénuphar (2:32)
11. Diagnostic (0:39)
12. Renvoyé (2:46)
13. La Chambre (0:32)
14. L'Administration (1:44)
15. Vers une Ile (5:50)
Time: 34:93

Musicians:
- Jean-Pierre Boulais / guitar, vocals
- Michel Aze / bass, vocals
- Jean-François Périer / keyboards, vocals
- Didier Guillaumat / guitar, vocals, choir
- Pascal Libergé / keyboards
- Christophe Boulanger / drums

Format: flac (tracks + cue) = 239 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 104 mb = Mega

Memoriance - L'Écume des Jours d'Apres Boris Vian [1979] - France / França


quinta-feira, 7 de maio de 2015

Clearlight - Forever Blowing Bubbles [1975] [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] - France / França



Depois de seu trabalho experimental em "Delired CHameleon Family" Cyrille Verdeaux organizou seu CLEARLIGHT em 1975 para um segundo álbum pela Virgin. O line-up oficial consistia de Verdeaux no piano/teclados, Bob Boisadan no piano elétrico/sintetizador, Jean-Claude d'Agostini nas guitarras/flauta/sax, Christos Stapinopoulos na bateria e no baixo Joël Dugrenot/voz. Entretanto há uma abundância de participantes convidados no álbum como ex-KING CRIMSON David Cross no violino, Christian Boulé na guitarra, Gilbert Artman na bateria/percussão e Bruno Verdeaux no sintetizador e congas, juntamente com um par de cantoras.

Este álbum é bem semelhante ao "Clearlight Symphony", talvez com um sabor jazzístico mais acentuado em certos momentos, mas ainda com muitas influências clássicas e intensas soundscapes. há uma quantidade pesada de atomosferas caóticas, orquestrações Fusion, onde as guitarras complexas de d'Agostini "respondem" ao piano elétrico de Boisadan e o Mellotron pesado de Cyrille Verdeaux. Ainda assim a música permanece praticamente equilibrada entre as referências sinfônicas, muitas vezes coloridas com interlúdios de piano suave e quebras de guitarra melódicas ou mesmo algum bom trabalho flauta, interlúdios jazzy com guitarras frenéticas e execuções impressionantes sobre a seção rítmica e explorações cósmicas com sintetizadores em evidencia. Eles soam muito perto de compatriotas como CARPE DIEM, mas o CLEARLIGHT (talvez junto com GONG) foram mestres na produção de  do Fusion "espacial", liderado pelas distorções nas guitarras e as unidades de sintetizador verdadeiramente convincentes sobre o som analógico primordial dos teclados. As performances de violino e saxofone ímpares de David Cross e Jean-Claude d'Agostini reforçam ainda mais este sabor único, mas Cyrille Verdeaux mantém o fundo orquestral evidente em muitas das peças contidas, tendo o Mellotron como o instrumento principal.

A música desse disco pode ser intrincada e por vezes perturbadora mas o resultado final é extremamente satisfatório. Esta versão está acrescida de algumas faixas extras que incorporam mais luz ao trabalho de Verdeaux.

Recomendado para os fãs de Space-Rock e Symphonic Jazz Rock.


Tracks:
1. Chanson (4:45)
2. Without Words (7:40)
3. Way (8:15)
4. Ergotrip (6:24)
5. Et pendant ce temps la (4:42)
6. Narcisse et Goldmund (2:39)
7. Jungle bubbles (2:42)
Bonus tracks: 
8. Sweet absinthe (7:48)
9. Without words (Mellotron remix) (7:43)
10. Flute aquatique (2:45)
Time: 55:28

Musicians:
- Bob Boisadan / keyboards, synths.
- Jean-Claude D'Agostini / guitars, flute
- Joel Dugrenot / lead vocals, bass
- François Jeanneau / bubbles synthetizers, flute, soprano sax
- Christos Stapinopoulos / drums, congas
- Cyrille Verdeaux / keyboards, gongs, congas, synthesizers, Mellotron, glockenspiel
- Amanda & Ann / celestial choir
- Gilbert Artman / drums, percussion, vibraphone, maracas
- Christian Boulé / cosmic guitar
- David Cross / violins
- Brigitte Roy / vocals (6)
- Bruno Verdeaux / synthesizer, aquatic congas

Format: flac (tracks + cue) = 330 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 134 mb = Mega

Clearlight - Forever Blowing Bubbles [1975] [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] - France / França

Wlud - Second [1979] - France / França



Este é o segundo disco dessa banda francesa lançado em 1979 e reeditado pela Musea Records adicionado de várias bonus tracks em 1998. A música do WLUD é instrumental assim como oferecido no seu primeiro disco, sendo que nesse a sonoridade é mais dominada pelos teclados, mas não como o ELP, soando como algo da carreira solo de Rick Wakeman ou algo como MIKLAGARD ou CARNEGIE, com momentos jazzísticos aqui e ali. O único problema neste álbum é a produção, o som, muito plano para esse tipo de música, os tambores parecem soar vazios sem que batida sólida e integral deva soar. De qualquer forma, a interação dos musicos é ótima proporcionando ótimos momentos de Música Progressiva apesar de arranjos um pouco ingênuos.



Tracks:
1. Fire (6:15)
2. Rocky (6:42)
3. Nemausus (4:06)
4. Ay (4:05)
5. Sismique (5:30)
6. Le tigre (6:58)

Musicians:
- Philippe Wendling - synthesizer, electric piano, organ
- Bernard Labroche - electric guitar
- Gigi Untersinger - bass
- Gianni Drago - drums

Format: ape (image + cue) = 352 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 153 mb = Mega

Wlud - Second [1979] - France / França

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Wlud - Carrycroch [1979] - France / França



Esse é o primeiro disco dessa banda francesa de carreira muito curta formada na bela cidade de Colmar, perto de borders. O grupo consistia de Phillipe Wendling nos teclados, Bernard Labroche nas guitarras, Gigi Untersinger no baixo e na bateria Gianni Drago, supostamente músicos com graduação . O nome da banda vem das letras iniciais de seus sobrenomes. 

"Carrycroch" foi realizado pela Omega Studios em 1979, sendo um disco de Rock Progressivo instrumental Jazzy muitas vezes abordando um estilo sinfônico, lembrando algo de CAMEL e GENTLE GIANT em muitos momentos devido a guitarra melódica de Labroche e os interplays do piano e órgão de Wendling. A guitarra elétrica é abundante, juntamente com  solos longos de órgão e piano elétrico virtuosos (abordando o estilo usado pelo RETURN TO FOREVER), a seção rítmica é decente, mas longe de qualquer coisa verdadeiramente aventurosa, a sonoridade é muito antiquada, assemelhando-se mais a uma banda do início dos anos 70.

No geral "Carrycroch" não quebrou nenhum novo paradigma, mas foi definitivamente um grande feito para uma banda que insistia num estilo trabalhado e não-comercial no final dos anos 70. 


Tracks:
01. Amazone - 5:22
02. Carrycroch' - 8:12
03. Holiday Maker - 5:12
04. Remember Song - 6:15
05. Sweet Bridge - 9:55
06. Spitfire (bonus) - 7:39
Time: 42:36

Musicians:
- Philippe Wendling - synthesizer, electric piano, organ
- Bernard Labroche - electric guitar
- Gigi Untersinger - bass
- Gianni Drago - drums

Format: ape (image + cue) = 253 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) - 110 mb = Mega

Wlud - Carrycroch [1979] - France / França

Pesquisar este blog

WORLD