Mostrando postagens com marcador -Germany / Alemanha-. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador -Germany / Alemanha-. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Octopus - The Boat of Thoughts [1976] - Germany / Alemanha


"The Boat Of Thoughts" é o primeiro álbum do Octopus - banda alemã formada na cidade de Frankfurt em meados de 1973 pelo guitarrista Pit Hensel e pelo baixista Claus D. Kniemeyer - e atualmente é considerado o melhor entre os quatro discos que a banda produziu. O Octopus foi uma de várias bandas que fizeram parte da segunda fase do Rock Progressivo em geral na Alemanha, durante a metade e o fim da década de 70. Era uma banda que se destacava não só por ter Jennifer Hensel como vocalista, mas por já em seu primeiro álbum ter constituído uma identidade singular, que por sua vez foi um dos primeiros produtos da recém-instituída SKY Records, que abrigou tantas bandas progressivas novas na época. 

O registro começa com a bela e flutuante "The First Flight Of The Owl"; o ouvinte será diretamente projetado no céu. Em seguida, a melodia se transforma em um tema mais melancólico, mas ainda assim excelente, A música cantada por Jennifer, torna-se uma melodia Rock enérgica. Muitas mudanças em apenas 5 minutos! "Kill Your Murderer" também atende às expectativas, com a sua abertura psicodélica, sua melodia medieval e seus sons de sintetizador! A música seguinte, "If You Aske Me" me lembra um monte de momentos épicos posteriores do Eloy, com variações neles. A banda se torna mais sinfônica com "The Rise Of Delayable Glib", uma pequena peça que poderia ter escapado de "Selling England by the Pound". Space rock e psicodelismo voltam em "We Are Loosing Touch", cujas acelerações e experimentos sintéticos irá tocá-lo ao coração. O álbum termina com a pista mais longa, a  canção-título, com 10 minutos e que contém muitas mudanças de ritmos e direções musicais.


"Boat Of Thoughts" é um dos melhores registros pouco conhecido de Space Rock da Alemanha. Agradará fâs de Eloy, Amon Düül, Camel, Grobschnitt e amantes de Krautrock!


Tracks:
1. The First Flight Of The Owl
2. Kill Your Murderer
3. If You Ask Me
4. The Dejelable Rise Of Glib
5. We Are Loosing Touch
6. The Boat Of Thoughts

Musicians:
- Pit Hensel / guitars
- Werner Littau / keyboards
- Jennifer Hensel / vocals
- Frank Eule / drums
- Claus D. Kniemeyer / bass

Format: mp3 (320 kbps) = 85 mb / pass = makina

terça-feira, 28 de julho de 2015

Stern Meissen - Reise Zum Mitterpunkt des Menschen [1980] - Germany / Alemanha


Mais um álbum conceitual desse grupo alemão de Prog Sinfônico (o outro é "Weisses Gold") e que agora usa apenas o nome de Stern Meissen, onde a grande influência presente é a do trio Inglês ELP. Mas a sonoridade não está muito próxima a de Triumvirat, está mais perto dos conterrâneos do SFF. É um disco complexo dominado pelos teclados onde a banda demonstra várias tonalidades. Os vocais são usados muito pouco em relação à "Weisses Gold", mas apresentam momentos importantes por Reinhard Fißler. Em resumo é um disco extremamente importante para quem quiser conhecer o trabalho desse grupo prolífico da ex Alemanha Oriental.


Tracks:
1. Allein (T. Kurzhals) (3:44) 
2. Hinwendung (T. Kurzhals - K. Demmler) (13:29) 
3. Romanze (T. Kurzhals - K. Demmler) (8:37)
4. Innenwelt (T. Kurzhals - K. Demmler) (6:50)
5. Menschenzeit (T. Kurzhals - K. Demmler) (6:14)
Time: 38:54

Musicians:
- Martin Schreier / leader
- Thomas Kurzhals / keyboards
- Reinhard Fißler / lead vocals
- Lothar Kramer / keyboards
- Peter Rasym / bass
- Michael Behm / drums

Format: flac (image) = 243 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 125 mb

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Schicke Fuhrs & Frohling - Sunburst [1977] - Germany / Alemanha


O primeiro registro do trio, "Symphonic Pictures", vendeu nada menos do que 12 mil cópias e os fascinantes shows ao vivo tornaram o SFF uma bandas das mais bem sucedidas em Alemanha. No próximo ano o talentoso trio entrou no estúdio de Dieter Dierk para gravar o segundo LP. Para chegar com um resultado mais espontâneo eles ainda recrutaram o baixista Eduard Brumund Ruther para tocar durante as sessões. "Sunburst" foi lançado em 1977, novamente pelo rótulo Brain.

Já a partir da faixa de abertura fica claro que Schicke, Führs & Fröhling estavam determinados a produzir um estilo diferente em relação ao seu debut. Então "Sunburst" acabou sendo como uma compilação de diversas faixas deixando a atitude altamente sinfônica da estréia para uma mais flexível ainda bastante exigente composições. As faixas têm uma forte influência o Tangerine Dream, sendo peças eletrônicas de soudscapes hipnóticas com guitarras melódicas circundantes e uma atmosfera de muito estilo excêntrico geral. O resto do álbum é dividido entre Symphonic Rock e poderosos stylings Fusion, onde Führs brilha novamente junto com seus breaks teclado synth acrobaticos. Interlúdios de piano estão por todo os lugares. Estes são combinados com solos de guitarra de Fröhling

"Sunburst" não é tão maravilhoso como o álbum de estréia, mas tem uma atmosfera encantadora e você pode contar certeza esses caras foram definitivamente talentosos. Recomendado para os fãs de trabalhos orientados aos teclados.


Tracks:
01. Wizzard [0:04:32.45]
02. Autumn Sun In Cold Water [0:04:46.64]
03. Artificial Energy [0:05:31.49]
04. Driftin' [0:03:24.50]
05. Troja [0:07:20.62]
06. 1580 [0:05:18.22]
07. Explorer [0:04:52.63]
08. Modimdofre (Pictures) (SFF Live, 1975) [0:27:43.38]
09. Dadadam (SFF Live, 1975) [0:04:49.23]
Time: 68:20

Musicians:
- Heinz Frohling / guitar
- Gerhard Fuhrs / synthesizer, keyboards
- Edward Brumund Ruther / bass
- Edward Schicke / drums

Format: flac (image) = 394 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 175 mb

sábado, 25 de julho de 2015

Eloy - Ocean 2 [1998] - Germany / Alemanha


Em retrospecto, tudo está claro. Enquanto "Tides Return Forever" foi um álbum do Eloy relativamente forte, Frank Bornemann sentiu a necessidade de realizar um disco que fosse um estrondo. Então seria necessário anexar o som do Eloy moderno às suas glórias passadas, e que melhor escolha para referência, do que o clássico "Ocean"?.

O álbum é muito mais moderno do que do vintage=. Se houver qualquer referência a triunfos musicais últimos seria sobre "Planets", que é muito bom de qualquer maneira. É provavelmente o mais dinâmico e variado dos últimos esforços do Eloy, com canções de diferentes comprimentos, atmosferas de sonho, incursões metálicas, e espaçadas viagens às vezes tudo na mesma faixa.

"Between Future and Past" é um instrumental de abertura muito Floydiano que conduz habilmente para "Ro setau" certamente um dos destaques como os vocais de Frank são habilmente tratados e o acúmulo de coral é maravilhoso. "Paralyzed Civilization" e "Awakening of Consciousness" são versões energizadas de algum material menor da banda nos anos 90. Outra melhoria é que as canções possuem as seções do meio mais maduras e com estilo excêntrico com sons de sintetizador realmente doces e novamente uma performance vocal adequadamente subavaliadas de Bornemann.

Dos dois épicos, "Reflections from Spheres Beyond" é a melhor uma vez que explora uma série de temas com equilíbrio e contenção, um dos quais é uma melodia recorrente de "Paralyzed Civilization", em um estilo mais sinistro, e outro um vocoder com seção de led. "The Answer", tem seus momentos, mas é um pouco bombástica e excessivamente longa. As duas canções suaves mais curtas "Serenity" e "Waves of Intuition"  ambas têm uma beleza sobrenatural e apresentam fino requinte de guitarra elétrica e uma excepcional camada de teclados. Superior de fato a alguns trabalhos dos anos 70, especialmente faixas mais fracas em "Silent Cries ...."

Claramente uma grande realização digno de adição à coleção uma coleção de Prog Rock. Altamente recomendado para os fãs de Prog e fãs alemães de Neo e Prog Rock Sinfónico. Eu estou feliz que terminou sua longa história com um álbum tão maravilhoso.


Tracks:
1. Between Future and Past (2:43) 
2. Ro Setau (7:09)
3. Paralysed Civilization (9:28)
4. Serenity (3:09)
5. Awakening of Consciousness (6:03)
6. Reflections from the Spheres Beyond (12:59)
7. Waves of Intuition (4:56)
8. The Answer (11:19)
Time: 57:46

Musicians:
- Bodo Schopf / drums & percussion
- Frank Bornemann / vocals, guitars
- Klaus-Peter Matziol / bass
- Michael Gerlach / keyboards, vocoder
+
Special guests:
- Steve Mann / slide guitar on track 8
- Susanne Schätzle / backing vocals
- Tina Lux / backing vocals
- Hannes Folberth / MiniMoog on track 2
- Volker Kuinke / Recorder (flute) on track 3,7 and 8
- Peter Beckett and Tom Jackson / choir on track 8
- Daniela Wöhler, Frederike Stübner and Susanne Moldenhauer / soprano voices on track 8 Prague Philharmonic Choir on track 8

Format: flac (image) = 390 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 100 mb

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Grobschnitt - Rockpomel's Land [REMASTERED + BONUS TRACK] [1977] - Germany / Alemanha


"Rockpommel's Land" lançado em 1977, foi o canto do cisne Prog do Grobschnitt antes deles mudarem para o Rock mainstream. O registro tem uma produção perfeita, boas idéias e arranjos, mas está faltando o humor característico dos discos e shows da banda. É um álbum conceitual com um inspiração na fantasia de Tolkien onde a história é sobre um menino e um grande pássaro com poder mágico.

O álbum abre com "Ernie's Reise", uma faixa dinâmica, começando com guitarra e órgão, em seguida, o tema principal, seguido por um primeiro intervalo. A faixa evolui para um sulco lento, apoiando os vocais bluesy de Danielak. Depois de um solo de guitarra executado por Kühn e uma reprise do tema principal começa uma passagem mais longa para piano, apoiando uma parte de narração da história, entrelaçada novamente com ligação e linhas duplas mais acenando acordes de synths. Idéias interessantes em uma linda faixa.

"Severity town" é um belo tema introduzido pela primeira vez pelo glockenspiel e depois pelo piano, seguido por um segundo tema (cantado) que é apoiado por uma progressão de acordes que lembra "Carpert Crawlers". A pista torna-se então mais pesada e evolui para um Funk pesado, com grande baixo, terminando com uma outra parte narração sobre uma passagem como o Genesis

"Anywhere" é uma lindíssima e curta canção apoiada em guitarras acústicas cheia de lirismo e poesia. É de deixar os olhos lacrimejando!

"Rockpommel's Land",a obra prima do álbum, abre com uma introdução atmosférica, a "march of the stonefaces", com vocais originais de trolls, evoluindo primeiro em um ritmo lento , seguido de um Shuffle com grande obra de guitarras. Após o tema que se repete, segue-se por um passagem lenta que prepara e monta o clímax, um tema interpretado por Kühn na guitarra elétrica.

No CD relançado pela Repertoire Records possui um grande bônus "Tontillon", um instrumental, construindo em torno do tema principal de "Severity town",tocado com um grande piano ao longo de um ritmo lento, com brilhante solo de Kahrs.

Este é o último álbum de estúdio importante do Grobschnitt, e com certeza a sua obra prima!.


Tracks:
1. Ernie's Reise (10:56) 
2. Severity town (10:05)
3. Anywhere (4:13) 
4. Rockpommel's Land (20:55) 
Bonus tracks:
5. Tontillon (6:15)
Time: 52:24

Musicians:
- Stefan Danielak (Wildschwein) / lead vocals, acoustic & rhythm guitars
- Joachim Ehrig (Eroc) / drums, percussion, electonic f/x
- Wolfgang Jäger (Popo) / bass 
- Volker Kahrs (Mist) / keyboards, Mellotron, synthesizers 
- Gerd-Otto Kühn (Lupo) / acoustic & electric guitars, vocals

Format: flac (image) = 350 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 120 mb = Yandex / pass = progsounds

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Grobschnitt - Jumbo [ENGLISH AND GERMAN VERSIONS - 2 DISCS ON 1] [ 1975] - Germany /Alemanha


Esta avaliação baseia-se na versão em Inglês do álbum. O disco anterior, "Ballerman" propôs duas direções possíveis para a banda, Prog Sinfônico a la Yes/Genesis e Space Rock, a la Pink Floyd. Indiscutivelmente, a abordagem Space Rock foi mais distintiva no caso do Grobschnitt, mas com "Jumbo" eles tomam a decisão de avançar ainda mais em território Sinfônico muito  bem percorrido.

Embora a abordagem seja bem implementada, peças como "The Clown" e muito de "Dream And Reality" são um pouco menos atraentes do que as da primeira parte de "Ballerman", mesmo tendo o mellotron bem explorado, a partir de "The Excursion of Father Smith". O destaque é definitivamente "Sunny Sunday's Sunset", também a faixa mais longa, que evolui de um começo hipnótico para uma atmosfera circense mas perfeitamente construída. Enquanto "Jumbo" não é o gigante que foi "Ballerman", vale a pena ouvir se você gostou do antecessor.


Tracks:
English Version:
1. Jupp / The Excursion Of Father Smith (9:55)
2. The Clown (6:44)
3. Dream And Reality (5:28)
4. Sunny Sunday's Sunset (11:29)
5. Auf Wiedersehen (0:58) 
German Version:
6. Jupp / Vater Schmidt's Wandertag (9:54)
7. Der Clown (6:51)
8. Traum Und Wirklichkeit (5:28)
9. Sonntag's Sonnabend (11:29)
10. Auf Wiedersehen (0:56)
11. Auf Wiedersehen (Reprise) (mystery bonus track) (1:17)
Time: 70:29

Musicians:
- Stefan Danielak (Wildschwein) / acoustic & rhythm guitars, lead & backing vocals
- Joachim Ehrig (Eroc) / drums, percussion electronic f/x, voices
- Wolfgang Jäger (Popo) / bass 
- Volker Kahrs (Mist) / keyboards, Mellotron, synthesizers
- Gerd-Otto Kühn (Lupo) / lead guitar

Format: ape (image) = 462 mb = Yandex / pass = makina
Format: mp3 (320 kbps) = 182 mb = Mega / pass = makina

terça-feira, 21 de julho de 2015

Satin Whale - As A Keepsake [1977] - Germany / Alemanha


Embora não muitas vezes produzam os melhores resultados, eu estou constantemente intrigado com a idéia de músicos Prog tentando encontrar um equilíbrio entre o tecnicismo progressivo e elementos comerciais. É uma linha tênue, tentando agradar a sua base de fãs existente que espera algo com mais substância, e apelando a um novo público de rádio comercial e, especialmente, mantendo a gravadora feliz.

Infelizmente, este álbum não revive o padrão que definiu em seu verdadeiro clássico, o debut de 1974 "Desert Places". Esse álbum balançou com uma grande fúria, tinha de guitarra matadora até um trabalho de órgão sem fim, e mesmo se os vocais fossem um pouco ásperos, as melodias reais eram muito decentes. "As A Keepsake", no entanto, é muitas vezes descaradamente comercial e pouco exigente, eu não tenho certeza se isso foi a decisão da banda, ou o resultado da pressão de sua gravadora exigindo alguns "hits". O álbum é especialmente arruinado por alguns desagradáveis ​​backing vocals femininos. Eles aparecem na maioria das faixas e realmente matam o álbum. Enquanto eu acho que dá à banda um único ângulo, é realmente um prejuízo para o disco.

Tracks:
1. Holidays (5:39) 
2.Reminiscent River (4:12) 
3. Devilish Roundabout (5:43 )
4. Bit Foolish - Bit Wise ( 5:58 )
5. Shady Way (4:14) 
6. Goin' Back to Cologne (3:54 )
7. Kew Gardens (4:26 )
8. Maree (4:38) 
9. No Time to Lose (4:26) 
Time: 43:10

Musicians:
- Thomas Bruck / bass, vocals 
- Gerald Dellman / organ, piano, keyboards 
- Wolfgang Hieronymi / percussion, drums 
- Dieter Roesberg / guitar, wind, guitar (12 string), slide guitar

Format: mp3 (320 kbps) = 102 mb = Yandex

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Satin Whale - Lost Mankind [1975] - Germany Alemanha


Quando Satin whale gravou seu segundo LP eles encontraram mais de um discreto estilo mas infelizmente perderam o poder de sua estréia. O álbum começa um pouco fraco com as três primeiras faixas, mas com a peça de 11 minutos "Go Ahead" vem certamente a melhor e mais versátil faixa aqui com grande sax e flauta. "Trace Of Sadness" possui um poderoso órgão, "Song for Thesy" está muito dominada por flauta, lembrando um pouco do Focus e tem algumas seções agradáveis ​​bateria e marimba entre as partes vocais. A flauta tem um papel importante na faixa final "Beyond The Horizon", além do bom e velho hammond. Assim, em geral muito mais do que 50% deste disco pode ser considerada como muito bom Art Rock dos anos 70.


Tracks:
1. Six O'Clock (3:47)
2. Lost Mankind (5:40)
3. Reverie (1:37)
4. Go Ahead (11:18)
5. Trace Of Sadness (5:26)
6. Midnight Stone (2:43)
7. Song For 'Thesy' (4:50)
8. Beyond The Horizon (7:10)
Time: 42:31

Musicians:
- Thomas Brück / bass, vocals
- Gerald Dellmann / keyboards
- Dieter Roesberg / guitar, saxophone, flute, vocals
- Wolfgang Hieronymi / drums

Format: mp3 (320 kbps) = 110 mb = Yandex

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Eloy - Discography (37 CDS: 1971 - 2011) [2011] - Germany / Alemanha


Discografia completa, incluindo as edições remasterizadas com faixas bônus do Eloy até 2011, em formato flac (lossless) sem perdas. Recomendado aos fãs da banda ou para aqueles que estão começando a conhecer o trabalho desses alemães.

Format: flac (image) = 2.13 gb = Torrent

sábado, 4 de julho de 2015

Octopus - An Ocean Of Rocks [1978] - Germany / Alemanha


Liderados por vocais femininos altamente assertivos, este quinteto de Frankfurt foi formado em 1973 pelo guitarrista Pit Hensel e o baixista Noel Kniemeyer; musicalmente, eles seguiram a tradição do Frumpy, Ruphus e Earth & Fire. Entre 1976 e 1981, eles lançaram quatro álbuns dos quais os dois primeiros, "The Boat Of Thoughts" (76) e "An Ocean of Rocks" (78), são, de longe, considerado os seus melhores.

Este segundo lançamento da banda pelo extinto rótulo Sky é uma das jóias desconhecidas dos anos 70. Dominado pelos teclados multi-camadas que se assemelham aos trabalhos de Keith Emerson ou Tony Banks em duelo com a uma vibrante guitarra, acompanhado por vocais femininos quixotescos sólidos de Jennifer Hensel. Todas as composições estruturadas fluem lindamente e estão cheias de mudanças e surpresas pelas guitarras de Pit Hensel e teclado matriz de Werner Lithau mais os eficazes vocais femininos que aparecem nos momentos certos.

Não é tão intensa como Eloy, Jane ou Nektar , porém é um artefato digno de ser caçado.



Tracks:
1. Start the music 
2. On my mind
3. Son of Sorrow
4. The delayable rise of Glib Part 2
5. The entrance
6. The shifting of space and time
7. Octopus - The survivor of Atlantis 
8. Queen of rocks

Musicians:
- Seppi Niedermeyer / drums, percussion
- Jennifer Hensel / vocals
- Claus D. Kniemeyer / bass
- Pit Hensel / guitars
- Werner Littau / keyboards

Format: mp3 (320 kbps) = 97 mb = Yandex

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Triumvirat - Spartacus [REMASTERED + BONUS TRACKS] [1975] - Alemanha / Germany


Após o grande sucesso artístico de "Illusions On A Double Dimple", O rato ataca novamente com o álbum conceitual e épico "Spartacus". Baseado na história do gladiador que lidera uma insurreição contra a toda poderosa Roma, este álbum é quase tão bom quanto o anterior (mesmo quando algumas pessoas acreditem que é melhor). O conceito de curso é mais simples porque a história não pode ser alterada, mas este deixa menos liberdade artística para a banda. Aqui o Triumvirat conseguiu manter a mesma formação com Jürgen Fritz, Helmut Kollen e Hans Bathelt que funcionou tão bem, e o resultado não poderia ser melhor, com influência de ELP mais clara, mas com melhores arranjos, "Spartacus" é um álbum que vale a pena ter em qualquer coleção.

"The Capital of Power" é uma magnífica abertura ou introdução (escolha o adjetivo que se encaixa melhor para o seu gosto); totalmente instrumental e retoma a atmosfera épica do álbum e dá ao ouvinte uma idéia clara sobre todo o conceito. Se eu tivesse que descrever musicalmente a grandeza da Roma antiga, não há dúvida de que eu iria escolher esta excelente torrente de teclados e percussão incrível e extremamente precisa.

"School of Instant Pain" é um pequeno épico composto multi partes que começa com um belo solo de piano, que é seguido pelos vocais clássicos de Helmut Kollen, uma grande voz, mas ainda mantém o sotaque alemão. A canção se desenvolve como uma balada poderosa onde a voz de Helmut e a bateria de Bathelt adicionam força suficiente também para manter o interesse. No meio da pista há uma seção interessante Jazz/Marcha onde os teclados e o piano de Jürgen Fritz são impressionantes, de alguma forma, quando você ouvir esta seção, o som do ELP estará presente, mas não como uma cópia, apenas uma forte inspiração. No final um teclado, baixo e bateria psicodélicos dá uma perspectiva clara do treinamento do Gladiador, mesmo sem uma única palavra.

"The Walls of Doom" não é uma das melhores faixas, a introdução de música marcial soa fraca, mas o teclado final e a seção de tambores é provavelmente o suficiente para salvar a música e, novamente, fornece energia suficiente.

"The Deadly Dream of Freedom" é uma bela balada principalmente para os vocais e piano que narram o momento em que a idéia de liberdade nasce na idéia de Spartacus que está expresso na frase "Eu tenho um sonho que nós podemos fazer isso", antes do final podemos ouvir uma seção de teclado lembrando ELP e, claro, um toque de piano extra, onde Jürgen Fritz mostra suas habilidades com as teclas.

"The Hazy Shades of Dawn" começa como uma outra marcha, mas muda para um ajuste mais complexo novamente muito reminiscente do ELP, mas com o estilo característico e original do rato.

"Burning Sword of Capua" começa com um solo de Hammond absolutamente barroco, mas o que me impressiona mais é que Bathelt mantém o rufar militar para manter a atmosfera revolucionária e épica, também se transforma em uma música baseada em Hammond muito complexa e progressiva com algumas boas mudanças.

"The sweetest Sound of Liberty" é outra balada linda e poderosa, onde a seção rítmica fornece energia e força incomum para uma melodia suave e bonita, uma canção de contrastes, simplesmente deliciosa. 

"The March to the Eternal City" é mini-épico de várias partes, a primeira seção "Dusty Road" funciona como uma introdução para a pista, começa como uma marcha lenta seguida por uma parte vocal onde toda a banda é incrível, de alguma forma expressa a difícil marcha dos rebeldes para Roma, o piano acrescenta drama a esta primeira parte. "Italian Improvisation" é uma seção extremamente complexa, com ritmos cruzados e teclados complexos. A última parte" The Battle", é uma seção curta frenética onde o ouvinte pode sentir a luta.

O álbum não poderia terminar de uma maneira diferente do que com "Spartacus" outro mini épico dividido em três canções: "The Superior force of Rome", "A Broken Dream" e "Finale", novamente uma faixa complexa cheia de contrastes e mudanças, que se mistura com grandes seções de batalha frenética talentosas melodias mais suaves pletóricas de nostalgia com tristeza e acordes jazzy, Rock Progressivo simplesmente na sua melhor expressão.


Tracks:
1. The Capital Of Power (3:13)
2. The School Of Instant Pain (6:22)
- a. Proclamation
- b. The Gladiator's Song
- c. Roman Entertainment
- d. The Battle
3. The Walls Of Doom (3:56)
4. The Deadly Dream Of Freedom (3:54)
5. The Hazy Shades Of Dawn (3:09)
6. The Burning Sword Of Capua (2:41)
7. The Sweetest Sound Of Liberty (2:35)
8. The March To The Eternal City (8:46)
- a. Dusty Road
- b. Italian Improvisation
- c. First Success
9. Spartacus (7:38)
- a. The Superior Force of Rome
- b. A Broken Dream
- c. The Finale
10. The Capital Of Power (live) (3:16)
11. Showstopper (previously unreleased) (3:37)
Time: 60:01

Musicians:
- Jürgen Fritz / Hammond organ, moog synthesizer, Steinway grand piano, ARP string essemble, electric piano.
- Helmut Köllen / bass, acoustic & electric guitars, vocals
- Hans Bathelt / drums and percussion

Format: mp3 (320 kbps) = 115 mb = Yandex

Pesquisar este blog

WORLD