Mostrando postagens com marcador -Spain / Espanha-. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador -Spain / Espanha-. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Galadriel - Chasing The Dragonfly [1991] - Spain / Espanha


Não há uma revolução na música do Galadriel. Depois de um álbum de estréia simplesmente SENSACIONAL, eles vão propor o mesmo tipo de música: o que significa uma música com total influência do Yes

As composições são mais polidas. Como durante seu primeiro lançamento, haverá algumas músicas curtas aqui. Eu gosto muito de "Passport To Tora". Melodia agradável, bonito trabalho de guitarra. Mas a oriental "Under A Full-Coloured Sky" não é a minha xícara de chá. É muito influenciada perla World Music para o meu gosto.

"Alveo (Bolero)" é totalmente influenciada por um bolero mesmo. Hipnótica e suave. Faixa típica para esta banda. "Merciless Tides" tem mais variedade. O ritmo é um pouco mais vigoroso que é bem-vinda porque se tem a impressão de ouvir o mesmo tipo de sons. Um pouco demais. É uma pausa agradável entre esta maelstroëm de música calma.

Galadriel também produz uma música épica neste álbum (eles fizeram o mesmo já em sua primeira realização). Eu gosto do humor assustador da introdução de "The Gray Stones of Escalia", mas a primeira parte da canção é suave e pouco inspirada. Falta de momentos emocionais. Se não parece muito com Yes, eu diria que o clima maçante lembra-me a sério a Mark II do Marillion. Ela fica melhor durante a segunda parte, que começa com um bom solo de guitarra, e leva a um número mais Rock com teclados poderosos. Mas essas boas vibrações só vai durar por três minutos. Ainda assim, durante o final, a banda vai levar-nos para uma grande orgia de guitarra.

A música de Galadriel é totalmente sinfônica, tranquila e bonita. Seu segundo álbum ainda vale uma boa audição.


Tracks:
1. Senshi (9:16) 
2. Passport To Tora (2:19)
3. Alveo (Bolero) (7:56)
4. Under A Full-Coloured Sky (3:09)
5. Merciless Tides (6:36)
6. The Gray Stones Of Escalia (18:40)
Time: 47:56

Musicians:
- Jesús Filardi / voice and keys
- Manolo Macia / guitar (by Manolo Pancorbo, Nacho Serrano)
- Oscar Pérez / drums (by Cidon Tindrade, Renato di Prinzio)
- Pablo Molina / bass (by Marco do Santos, by Jose Bautista)
- David Alfaro / keys (by Alfredo G. Demestres, Alex Román)
(original line-up and changes between parenthesis)

Format: flac (tracks) = 303 mb
Format: mp3 (320 kbps) = 117 mb

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Imán - Camiño Del Aguilla [1980] - Spain / Espanha


O quarteto de Prog-Rock Espanhol Imán Califato Independiente tem suas origens em uma convenção, dadas pelo guru de meditação Maja-raj-ji, em meados dos anos setenta. Como hippies genuínos, os músicos viveram juntos em uma casa em El Puerto De Sta. Maria e, vierm a fundar a banda Iman e em 78 e lançaram seu primeiro disco auto-intitulado nesse mesmo ano. Dois anos mais tarde seguiu-se o lançamento do seu segundo álbum entitulado "Camino Del Aguila" composto por 4 faixas. 

Esse registro possui muito mais inspiração e segue a mesma linha do antecessor - Flamenco orientado ao Progressivo Sinfônico, com muitas influências de Camel, era Genesis de 1976 à 1978 e a banda Return To Forever. O conjunto instrumental trabalha com fluidez de uma maneira bem oleada, e o nível de desempenho é excelente e cheio de finesse. Um novo baixista entrou na banda, Urabno Moraes (do Uruguai), que proporciona um som de destaque no seu instrumento, não restringindo-a a um mero complemento da bateria de Guerrero, mas também deixa-o vir à tona, às vezes, a fim de fornecer adicional melódico como um contraponto à guitarra e solos de sintetizador. Os restantes membros originais mantem-se fiéis aos seus próprios estilos: Guerrero e Mantero exibem suas sensibilidades jazzy, enquanto o guitarrista Rodriguez recicla suas influências (principalmente Hackett e Latimer, mas também algumas texturas Frippianas também) com cores Flamencas. 

1. "La marcha de los enanitos" (10:30): O álbum abre com um ritmo mid-tempo entregando forte interação com um tom Mourisco entre guitarra e sintetizador e percussão propulsiva. Em seguida, uma emocionante clima sensual para um ambiente mais dinâmico com gradual trabalho de sintetizador e guitarra, apoiado por um sólido seqüência de todo o conjunto exuberante, mostrando uma mistura dinâmica de Prog Andaluz e Jazz Rock!

2. "Maluquinha" (06:29): Em um ritmo balançando mais uma vez podemos desfrutar de uma sonoridade Andaluz, acompanhada por uma percussão emocionante e um solo de sintetizador fluente.

3. "Camino del Aguila" (14:00): A faixa-título soa muito alternada com uma secção de ritmo impressionante, grande interação entre guitarra e sintetizador (como Iceberg) e um monte de idéias musicais interessantes, a partir de um uivo, Morish inspirado solo de guitarra e um ritmo cativante com forte interacção entre todos os músicos. A guitarra vem na veia de Steve Howe em "Relayer" e um solo de sintetizador bem chamativo.

4. "Niños" (03:05): É uma maravilhosa peça sonhadora bastante melancólica, primeiro com teclados Spacey, depois guitarra espanhola e vocais quentes, então sensíveis arranjos de violão clássico, voos lentos de sintetizador e um som de cordas exuberante, este é o lado melodramático da banda.

Iman oferece uma fusão muito emocionante de Prog Andaluz e Jazz-Rock, altamente recomendado!


Tracks:
1. La marcha de los enanitos (10:30)
2. Maluquinha (6:29)
3. Camino del aguila (14:00)
4. Niños (3:05)
Time: 34:04

Musicians:
- Kiko Guerrero / drums, percussion
- Marcos Mantero / keyboards
- Urbano Moraes / bass, percussion, chorus
- Manuel Rodriguez / vocals, guitars
+
 Ruben Dantas / percussion (2)
- Dierdre Fallon / chorus (4)

Format: flac (image + cue) = 201 mb = Mega / pass = makina
Format: mp3 (320 kbps) = 81 mb = Mega / pass = makina

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Imán - Califáto Independiente [1978] - Spain / Espanha


O quarteto Espanhol Imán Califato Independiente tem suas origens em uma convenção, dada pelo guru de meditação Maja-raj-ji, em meados dos anos setenta. Como hippies genuínos, os músicos viveram juntos em uma casa em El Puerto De Sta. Maria e vieram a formar a banda Iman em 1978.

O álbum homônimo foi lançado em 1978 e era composto de 4 músicas. num estilo bem pessoal porém incorporando todos os elementos utilizados pelas bandas Prog espanholas da época.

Faixa 1. Tarantos del Califato Independiente (20:46): Primeiro, um som de conjunto de cordas maravilhoso em uma atmosfera sensual com guitarras elétricas com um forte tom Morish. Então ocorre uma mudança de humores com grande interação guitarra-sintetizador (evocando o grupo ICEBERG) e solos emocionantes de guitarra e sintetizador, uma peça com muita percussão. A parte final oferece um ritmo lento, com um solo de guitarra elétrica bonito e muito sensível, acompanhada por um som seqüência de conjunto exuberante, arrepiante!

Faixa 2. Darshan (8:30): Mais uma vez aquelas cordas maravilhosas, segue uma grande interação entre guitarra e sintetizador com o apoio de uma secção de ritmo muito aventureira. Há um duelo entre guitarra e sintetizador em uma atmosfera cativante que combina Prog Andaluz e Jazz-Rock.

Faixa 3. Cerro Alegre (07:33): A introdução contém uma obra para piano frágil e sensível, guitarra clássica, em seguida, um ritmo oscilante com o piano e guitarra flamenca. Uma guitarra ardente é adicionada apoiada por um poderoso baixo e o cravo suave. Surge então um interlúdio emocionante com um solo de guitarra que soa como o andaluz Carlos Santana (Caravanserai-era) e culmina em um ritmo oscilante, mais uma vez o Prog Andaluz atende ao Jazz-Rock, o que é uma dinâmica musical cativante - ótima experiência!

Faixa 4. Cancion de la Oruga (05:32): Esta é uma bela peça que começa com  guitarra clássica somando-se os teclados e vocais quentes, em seguida, um mid-tempo com sintetizador é executado com um tom Morish e percussão propulsiva.

Esta é uma fusão muito emocionante de Prog Andaluz e Jazz-Rock, altamente recomendado!


Tracks:
1. Tarantos del Califato Independiente (20:46) 
2. Darshan (8:30) 
3. Cerro Alegre (7:33) 
4. Cancion de la Oruga (5:32)
Time: 42:21

Musicians:
- Iñaki Egaña / bass and vocals
- Kiko Guerrero / drums
- Marcos mantero / keyboards
- Manuel Rodrigue / guitar

Format: ape (tracks) = 221 mb = Mega
Format: mp3 (320 kbps) = 98 mb = Mega

domingo, 8 de junho de 2014

Medina Azahara - La Esquina del Viento [1980] - Spain / Espanha


Alguns momentos "Hard" (pesados às vezes) de sua música, que estavam presentem em seu excelente debut são ainda mais importantes neste trabalho que veio a seguir.

A faixa de abertura "El Rincón De Mi Mente" define o ritmo: órgão pesado, batida forte e guitarra furiosa. Vocais orientados "andaluzes" muito agradáveis . Tem uma atmosfera muito especial. Essa música é absolutamente a par com a sua estréia auto-intitulada. Um destaque? Sim!

Uma das principais características de sua estréia, foi o excelente trabalho de Miguel Galán. Continua debulhando a guitarra com "riffs" emocionais em quase todas as canções deste álbum. Destaque em "Sueños de Locura" e "Una Mañana De Mayo", mas ele está brilhando em todos os lugares.

Sintetizadores em "Las Flores Blancas" tem uma "tinta" neo-prog  (influências de ELP ou  de Peter Banks). O grande Miguel se apresenta muito bem nessa faixa.

As músicas de destaque são menos complexas do que as do álbum de estréia. Ainda assim, este álbum tem muito pouco momentos de fraqueza, mesmo que "Me Invade Una Gran Pasión" não seja uma canção mais forte instrumentalmente.

Miguel é brilhante novamente durante em todo este álbum (ele já foi o destaque em sua estréia). Basta ouvir a maravilhosa introdução de "Tiempo de Miseria". 

Enfim, mais um álbum desse grupo andaluz, que merece muita atenção


Tracks:
1. El rincón de mi mente (4:57) 
2. Sueños de locura (3:56) 
3. Una mañana de Mayo (4:02) 
4. Las flores blancas (3:38) 
5. La esquina del viento (3:20) 
6. Me invade una gran pasión (3:55) 
7. Tiempo de miseria (5:22) 
8. y Amanece en la ciudad (3:40)
Total Time: 32:50

Musicians:
- Manuel Martínez / vocals
- Pablo Rabadán / keyboards
- Manuel S. Molina / bass
- Miguel Galán / guitar
- José Antonio Molina / drums

Format: mp3 (320 kbps) = 72 mb = Mega

Mediterrâneo - Estrechas calles de Santa Cruz [1978] - VERY RARE ALBUM !!!!!

POSTAGEM ORIGINAL
ORIGINAL POST


Pequeno grupo espanhol que surgiu em Alicante no final dos anos 70. A banda Mediterráneo lançou dois álbuns nessa época, sendo estes os únicos voltados ao Rock Progressivo, com destaque para esse álbum, lançado pela pequena gravadora local Aphrodita e até hoje nunca relançado. A partir de 1980 houve mudança de membros e a banda passou a tocar pop latino, se desfazendo alguns anos depois.

O debut "Estrechas calles de Santa Cruz", por sinal, RARÍSSIMO, de 1978, traz apenas 5 faixas de Rock Progressivo, com leves influências de Fusion. O instrumental é bem trabalhado e na maioria do tempo calmo, seguindo a linha sinfônica, lembrando um pouco o Camel, destaque para bons solos de teclado (especialmente moog) e guitarra. As letras são em espanhol, mas o vocal de Victor Carratalá não é dos mais interessantes. Quanto as faixas, destaque para a primeira e a última.

Nada de extraordinário, mas pérola recomendada para fãs de rock progressivo.


Tracks:
1- Estrechas Calles De Santa Cruz 9:07
2- Mediterraneo 5:12
3- En Mi 3:52
4- Mandragora 5:10
5- Rollo Atomico 12:37

Musicians:
Alfonso Linares (bateria)
Santiago Pedro Giménez (guitarra)
Víctor Carratalá (vocal)
 Juan Guijarro (baixo) 
Pepe Rey (guitarra)

Format: mp3 (320 kbps) = 80 mb = Mega

sábado, 7 de junho de 2014

Medina Azahara - Paseando por la Mezquita [1979] - Spain / Espanha


O nome  Medina Azahara vem das antigas ruínas da cidade de mesmo nome, em Córdoba, Espanha. O nome não era um presságio de qualquer forma, porque a banda ainda está viva e que recentemente (2012) publicou mais um álbum de estúdio; e o vocalista, Manuel Martínez, que levou o nome Medina Azahara ao longo dos anos e ele é o único que resta da formação original. No início a banda seguiu os passos do sucesso de TRIANA, que veio de Sevilha, que apontaram a direção do novo Rock Progressivo andaluz alguns anos antes. E eles aparentemente ganhou um enorme sucesso em Espanha como seus antecessores.

A música proposta por Medina Azahara tem estilo mais agitado, e ainda um certo peso de guitarras como nas faixas "Paseando por La Mezquita" ou "Hacia Ti". O álbum apresenta alguns esplêndidas guitarras (elétricas) de Miguel Galán. "Hacia Ti" é uma faixa muito melódico e é extremamente agradável. É um destaque.

Este álbum é realmente muito cativante, o idioma espanhol é um destaque para esse disco symphonic-heavy maravilhoso. Uma canção como "Si Supieras", mesmo como uma letra simples, é um momento muito emocional deste trabalho: a música é novamente dominada pelo grande trabalho de guitarra, bem como os vocais movimentados.


"Busco" também merece menção. É a faixa mais andaluz do álbum; principalmente graças aos vocais que são um pouco orientados ao flamenco. Mas o vocalista Manuel Martínez não é de todo exagerado neste aspecto. Ele não é tão exuberante como Molina (de Ñu) ou de la Rosa (TRIANA). Ele é mais moderado, mas tão eficiente quanto a ambos.

Medina Azahara realmente merece a sua atenção. Amantes da guitarra e progheads à procura de algo diferente: este álbum é altamente recomendado.



Tracks:
1. Paseando Por La Mezquita (5:02)
2. En La Mañana (3:29)
3. Hacia Tí (5:17)
4. Si Supieras (5:05)
5. Busco (4:38)
6. Amiga (4:45)
7. Sé (5:17)
8. Recuerdos Del Ayer (4:27)
Total Time: 38:00

Musicians:
- Manuel Martínez / vocals
- Pablo Rabadán / keyboards
- Manuel S. Molina / bass
- Miguel Galán / guitar
- José Antonio Molina / drums

Format: ape (image + cue) = 228 mb = Torrent
Format: mp3 (320 kbps) = 140 mb = Mega

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Bloque - Hombre, Tierra Y Alma [1979] - Spain / Espanha


Devido à situação política na década de 70 os melhores álbuns de rock progressivo espanhol só foram lançado depois da segunda metade da década, quando o auge do Prog já tinha sido alcançado em outros países. Ao contrário de outras grandes bandas espanholas como CRACK ou TRIANA sendo influenciadas principalmente pelo jazz ou flamenco o Bloque estava usando, uma abordagem mais perto de de rock sinfônico italiano a partir desse período. Seu segundo lançamento "Hombre, Tierra y Alma" foi certamente o seu trabalho mais coerente e o melhor sendo comparado aos melhores álbuns de bandas mais conhecidas nesse gênero.

"Humanidad indefensa" abre o álbum em uma atmosfera bastante apocalíptica com o som de vidro estilhaçando seguido por algumas crianças chorando e teclados bombásticos. A música continua na melhor tradição do rock 

sinfônico italiano com vocais surpreendentes, acompanhados por guitarra psicodélica e teclados de bom gosto. 

"Ya no hay nada en la calle" é mantida em uma veia mais suave e baladesca com uma guitarra acústica e teclados suaves soando como flautas.  Linda canção.

"El llanto del poeta" tem letras poéticas cantadas por um coral de crianças combinados com um grande solo de guitarra elétrica. 

As próximas três faixas curtas representam de fato uma mini-suite, que se iniciam numa veia mais pesada com um vocal bem forte e poderoso. A suíte é composta por: a). En infierno esta aquí? parte I; b). Una posibilidad; c). En infierno esta aquí? parte II. Especialmente em sua última parte: Esta [ultima parte com um ótimo riff de guitarra.
  
"Meditacion Parte I", consiste de solenes e sintetizadores com sons místicos. Como na faixa anterior,constitui, juntamente com "Descubrir el Sentido terrível de la Vida" e "Meditacion Parte II" uma outra mini-suite. 

O mesmo vale para as três últimas faixas apresentando excelente guitarra e teclados duplamente combinados com algumas letras parcialmente falado poéticos e coisas mais assombradas.

A última faixa, "Por fin he vuelto a ti" distoa um pouco do resto do disco. É totalmente instrumental porém com um ótim entrosamento da banda e demonstra todo o potencials dos músicos principalmente o talento para a criação de riffs de guitarra acompanhado do teclados.

Disco altamente reomendando que possui um estilo que agrdará a qualquer amante do Prog sinfônico italiano. 

Para conhcer a banda recomendo que comece por este álbum


Tracks:
01. Humanidad indefensa - 6:03
02. Ya no hay nada en la calle - 3:32
03. El llanto del poeta - 3:10
04. En infierno esta aquí? - 5:15 including:
 a). En infierno esta aquí? parte I
 b). Una posibilidad
 c). En infierno esta aquí? parte II
05. Meditación - 6:57 including:
 a). Meditación parte I
 b). Descubrir el sentido terrible de la vida
 c). Meditación parte II
06. El verdadero silencio - 7:00 including:
 a). El verdadero silencio parte I
 b). La muerte renacida
 c). El verdadero silencio parte II
07. Por fin he vuelto a ti - 4:33
Total Time: 36: 48

Musicians:
- Sixto Ruiz - acoustic & electric guitars, vocals
- Juan José (Juanjo) Respuela - acoustic & electric guitars, vocals
- Juan Carlos Guitiérrez - keyboards, vocals
- Carlos Terán - drums, percussion, vocals
- Luis Pastor - bass

Format: mp3 (320 kbps) = 86 mb = Narod
Fotmat: flac (imahe + cue) = 266 mb = Torrent

Galadriel - Muttered Promises From An Ageless Pond [1988] - Spain / Espanha


Embora marcado em Progarchives como Neo-Prog este álbum é claramente sinfônico, uma mistura de passagens dos primeiros trabalhos do GENESIS (Hackettianos por exemplo) e o lado soft-prog do YES, e alguns fragmentos de piano de cauda emersonianas. Por extensão de tudo isso ele também pode lembrar alguma coisa de PFM. Claramente retro-sinfônico, a maior parte suave, etéreo, lírico, fantástico e mítico E, certamente, isso não é padrão Neo-Prog.

O álbum é mau produzido, foi gravado em várias sessões, abrangendo um período de quase dois anos, em estúdios diferentes, com diferentes engenheiros e dois baixistas diferentes (um dos dois guitarristas 

teve que assumir o baixo em algumas faixas depois que o baixista original saiu), e muito provavelmente com recursos muito limitados. O lado positivo é que é soa como um disco obscuro de vintage real a partir do início dos anos 70!

Talvez o elemento mais característico é a voz de Jesus Filardi cujo tom elevado combinado com o reverb aplicado pode lembrar um pouco de Jon Anderson, embora a entonação é uma mistura da abordagem lírica de Jon com o estilo mais teatral de Fish ou Gabriel. As guitarras são principalmente Hackettianas, mas incluem alguns sabores de Steve Howe, especialmente em alguns solos, enquanto que os teclados estão mais na escola do PFM. O baixo e a bateria são de nível médio-baixo, não ajudou a qualidade de gravação pobre acima mencionada.

As letras são em Inglês, exceto na última faixa e, ao contrário de muitas outras bandas espanholas, estas são muito bem escritas e pronúncia de Filardi é muito boa. 

As 3 primeiras músicas são coletivamente agrupados como "The Day Before the Harvest". "Lagada" é a primeira e mostra desde o início, o que vamos encontrar aqui: composições no padrão GENESIS/Hackett do período "Trespass"/"Selling England By The Pound" com algumas influências de YES e outras influências iniciais do anos 70.  Também possui alguns preenchimentos de violino muito bons, o que dá um destaque na criatividade das composições. 

"Virginal" é instrumental, um belo dueto delicado de violões, novamente muito Hackett-Rutherford.

"To Die em Avalon" é mais uma vez no estilo suave de GENESIS mais primário embora alguns fragmentos de guitarra faz lembrar também do início de KING CRIMSON e há um solo de piano competente, que poderia ter sido  feito por Keith Emerson.

As próximas duas músicas são agrupados como "The Year of the Dream". "Limiar" é outro curto instrumental da atmosfera Hackettiana, não é ruim, mas nada de especial.

O que temos em 20 minutos da suite "Landahl's Cross", é um outro caldeirão de influências do prog sinfônico vintage: início de GENESIS, letras de YES, KING CRIMSON, "Grendel" do MARILLION e assim por diante. No entanto, esta não é a grande faixa parece deslocada e carece de definição.

As últimas duas canções ou uma na versão Musea. "Summit" é muito boa, com uma atmosfera fantástica lembrando um pouco de GENESIS "The Fountain of Salmacis" e outro grande solo de piano inspirando em Keith Emerson.

O álbum fecha com "Nunca de noche", com letra em espanhol, com arpejos de guitarra e a melodia vocal. Uma canção simples agradável.

Recomendado se você gosta deste estilo de música, contanto que você não espere uma obra-prima como "Foxtrot" e perdoe um pouco há má produção, mas enfim, o disco merece uma atenção bem disposta !!!


Tracks:
1. The Day Before The Harvest: Lágada (8:30) 
2. Virginal (2:26) 
3. To Die In Avalon (10:00) 
4. The Year of The Dream: Limiar (Winter's Request) (1:26) 
5. Landahl's Cross (20:04) 
6. Summit (11:27) 
7. Nunca De Noche (2:20)
Total Time: 55:00

Musicians:
- Manolo Macia / guitars 
- Manolo Pancorbo / guitars and bass 
- David Aladro / keyboards 
- Cidon Trindade / drums and percussion 
- Jesús Filardi / vocals and percussion 
- Alfredo Garcia / violin (#1) 
- Pablo Molina / bass (#5, #6) 
- Angel Romero / backing vocals and percussion (#5)

Format: mp3 (320 kbps) = 134 mb = Mega
Format: flac (tracks + cue) = 348 mb = Mega

domingo, 1 de junho de 2014

Triana - Hijos Del Agobio [1977] - Spain / Espanha


Se o meu espanhol está correta, a tradução em Inglês do título do álbum é "filhos da opressão." Para mim, este é um disco sólido, com alguns momentos excelentes. As várias manifestações de guitarra, tanto acústica e elétrica, quando emparelhadas com um teclado mais experimental é o aspecto marcante deste álbum. Fãs de STEVE HACKETT e CAMEL provavelmente vão apreciar este casual, espanhol com sabor de rock sinfônico.

"Hijos del Agobio" inicia o disco com teclados descontraídos e um vocal forte e robusto, enquanto o baixo oferece arpejos ocasionais. As interrupções de guitarra são muito semelhantes aos do início de STEVE HACKETT.

"Rumor" mais dinâmica e com um toque latino-americano dançante, a segunda parte ainda mantém a textura sinfônica confortavelmente solta da primeira música. O toque de guitarra é mais apaixonadao e mais pesado, com algumas manifestações bem criativas.

"Sentimiento de Amor" é romântica e triste, bem melancólica com sintetizador e guitarra com cordas de nylon.

"Recuerdos de Triana" Esta é uma faixa mais experimental, com tons de teclado estranhos e um tambor solando, contrasta um pouco com o resto do álbum.

"¡Ya esta bien!" possui uma bateria rápida e traz uma música pesada composta por guitarras barulhentas e sintetizador elegante. 

A faixa eu vem emendada na sequencia é "Necesito" eu começa com guitarras poderosas. Com grandes vocais e teclados simplistas, Triana soa como uma versão grosseira de CAMEL.

"Sr. Troncoso" Após a sonoridade da música anterior, é uma boa canção acústica pacífica para equilibrar o álbum. Ele constantemente pega ritmo com palmas e uma guitarra elétrica distante.

"Del Crepusculo Lento Nacera el Rocio" tem um violão Adorável é justaposta com sintetizador mais discordante. A guitarra elétrica é em camadas e fantasmagórica, um dos momentos mais maravilhosos do álbum. O que logo se segue são estratos desarmônica de teclados e percussão. 

Enfim, o disco faz um belo completamento do mais bem explorado tema "flamenco" do álbum anterior. não deixa de ser uma bela aquisição !!


Tracks:
1. Hijos del Agobio (5:18)
2. Rumor (3:20)
3. Sentimiento de amor (5:32)
4. Recuerdos de Triana (2.50)
5. !Ya esta bien! (3:12)
6. Necesito (4:04)
7. Sr. Troncoso (3:28)
8. Del crepusculo lento nacera el rocio (5:50)
Total Time: 33:34

Musicians:
- Jesus De La Rosa / voz, teclados y guitarra en "Sr. Troncoso"
- Juna José Palacios (Tele) / percusión, efectos especiales y moog en "Recuerdos de Triana"
- Eduardo Rodriguez R. / Guitarra, voz en "Del crepúsculo lento, nacerá el Rocío", voces en "Sr. Troncoso" e "Hijos del Agobio"
- Antonio Perez / guitarra eléctrica
- Manolo Rosa / bajo eléctrico y guitarra española en "Del crepúsculo..."
- Enrique Carmona / introducción guitarra en "Del crepúsculo..."
- Miguel Angel Iglesia / voces de ambientación y desahogo microfónico en "Recuerdos de Triana"

Format: mp3 (320 kbps) = 77 mb = Yandex

Triana - El Patio [1975] - Spain / Espanha


Possivelmente, o nome mais forte da década de 70 bandas de Rock-Prog espanholas, Triana foi o resultado de uma idéia do tecladista Jesus De La Rosa, que foi um músico bem conhecido da cena local do Sevilla, mas cansado da música tradicional decidiu formar uma banda de rock progressivo com raízes fortes no flamenco. Então formou esse trio junto com Juan Jose Palacios (bateria / percussão) e Eduardo Rodriguez (guitarra).

O álbum'' El Patio'' foi lançado em 1975 e foi uma combinação única de rock progressivo com teclados atmosféricos e flamenco. O bom mellotron, os arranjos sinfônicos ea voz majestosa de De La Rosa combinam incrivelmente com a bateria jazzificada/étnica orientada de Palacios e o estilo flamenco da guitarra de Rodriguez

Infelizmente, "El Patio'' foi amplamente despercebido devido à sua pobre promoção, contudo você não vai acreditar em seus ouvidos, quando você apreciar essa jóia fantástica.

"Abre la Puerta" começa com uma guitarra flamenca, piano e introdução de Mellotron que levam diretamente a uma passagem muito dramática de extrema beleza com Eduardo Rodriguez compartilhando suas habilidades na veia de Segovia. Os vocais de Jesus de La Rosa são perfeitos para a música, é uma música fantástica.

"Se de un Lugar" começa com a clássico vocal profundo de Jesus de la Rosa, logo seguido por um violão requintado que lhe acompanha perfeitamente, e, em seguida, a variação começa, guitarras e teclados dando um sabor especial Sinfônico sem nunca deixar completamente a atmosfera mourisca/espanhola, com um Moog, que dá um sabor especial

Mas quando você acredita que tudo vai fluir com normalidade e sem qualquer surpresa, Triana nos atinge com toda a artilharia pesada, entrando em território do rock com alguns efeitos especiais que se desvanece e ressuscita em um alguns instantes para permitir que a guitarra flamenca volte a entoar. 

"Todo es de Color" é uma canção curta com guitarra e voz que combinam perfeitamente, isso não é exatamente um território prog, mas nós estamos falando sobre música étnica pura com alguns efeitos, ainda é impressionante, porque ele funciona como um interlúdio Andaluz para nos preparar para a faixa seguinte.

"Luminosa Mañana" começa muito promissora e, finalmente, uma perfeita fusão de estilos acontece, a atmosfera espanhola combina perfeitamente com algum tipo de riff de órgão psicodélico que é extremamente dramático, não decepciona em momento algum.

"Diálogo" tem uma introdução estranha que mistura um par de acordes de teclado simples com algum violão, mas a banda vai "num crescendo", não só em volume, mas também a adição de vocais e mais instrumentos como se estivessem a preparar-nos para uma enorme explosão .. E a explosão começa com o Moog, mas desaparece de novo e incrivelmente eles começam tudo de novo até que o êxtase chega no último, leva algum tempo, mas é alcançado o objetivo.

"En el Lago" começa suave novamente com guitarra e teclado, quase que instantaneamente os tambores e vocais se juntam com um órgão ácido que cria um clima Psicodelico/íntimista, a parte final é simplesmente notável.

TRIANA fecha o disco com fantásticamante com "Recuerdos de una Noche", se fosse apenas para esta faixa, o álbum já valeria a pena comprar, a mistura de gêneros, estilos, humores e atmosferas é nada mais nada menos que perfeito!!!!!!

Para conhecer o trabalho de Triana seria recomendável começar com este álbum e, em seguida, obter "Hijos del Agobio" sendo que é o caminho natural para ouvir uma banda que estava no seu maior momento artístico, criativo e emocional.


Tracks:
1. Abre la Puerta (9:53)
2. Luminosa Mañana (4:05)
3. Recuerdos de una Noche (4:42)
4. Sé de un Lugar (7:10)
5. Dialogo (4:32)
6. En el Lago (6:38)
7. Todo es de Color (2:09)
Total Time: 39:09

Musicians:
- Jesus de la Rosa / vocals, keyboards
- Juan Jose Palacios / drums and percussion
- Eduardo Rodriguez / flamenco guitar
+
- Antonio Perez / electric guitar
- Manolo Rosa / bass

Format: mp3 (320 kbps) = 94 mb = Yandex

Crack - Si Todo Hiciera Crack [1978] - Spain / Espanha


Crack foi uma banda formada no norte da Espanha, Gijón para ser mais preciso. E foi, infelizmente uma daquelas bandas que só lançou um álbum e, em seguida, desapareceu; os proggers lamentam com tristeza, pois seu tipo de música era brilhante!

Seu único álbum foi intitulado "Si Todo Hiciera crack", lançado em 1979 e composto por sete canções que, juntas, chegam a 40 minutos.

A primeira faixa é "Descenso en el Mahëllstrong". Um instrumental excitante e emocionante que demonstra todo  o talento que tinham. O piano tem um papel principal aqui, após ter um som delicado, depois se torna mais agitado, de forma poderosa. Há também um magnífico som da flauta em todo a canção. A presença sinfônica espanhola é óbvia aqui, e ainda tem mais por vir...

"Amantes de la irrealidade" é a primeira faixa que apresenta os vocais, é claro, em espanhol. Há uma voz masculina predominante, mas os vocais femininos são arrepiantes, fortemente influenciado por Mrs. Annie Haslam da banda RENAISSANCE. A música é mais suave com bom piano e violão. Mais tarde, ela muda e soa como se você estivesse dentro de um conto de fadas, caminhando por uma terra feliz. Provávelemente essa atmosfera criada na música foi proposital para fazer jus ao título "os amantes da fantasia", tem muito a ver. A música é muto é bonita, com excelentes passagens de teclado e bons solos de guitarra.

"Cobarde o Desertor" começa com os vocais desde o primeiro minuto, essas vozes têm esse som espanhol distintivo. A música é agradável, boas notas graves e estranhos momentos esporádicos de teclado.

"Buenos Deseos" é outra música curta, bem folk com grandes intervenções sinfônicas, teclados e bateria, e há também um coral. O som é suave e confortável, os vocais são bons e as linhas de baixo soar forte, mas ao mesmo tempo suaves.

"Marchando una del Cid" começa precisamente com um som de pessoas marchando, bateria militar caractr´sitica. Em seguida, muda com a introdução de um som especial da flauta. Todos os instrumentos fazem um excelente trabalho: baixo, bateria, piano e guitarra, é claro acompanhado

por essa flauta e teclado como "mestre". Minutos depois vocais aparece um piano clássico. Os vocais estão mostrando muita paixão, enquanto que a música soa rápida e às vezes até "nervosa". O som sinfônico prevalece aqui. Há uma espécie de interlúdio onde o piano desaparece por um segundo, mas depois ele retorna mais rápido e poderoso. Mais tarde, alguns solo de teclado brilhantes aparecem enquanto o ritmo de toda a música mantém a mesma forma. Esta é uma composição extraordinária.

"Si Todo Hiciera crack" é a faixa mais longa. Melodica, melancólica, em momentos e "aventureira" e ousada em outros. Com um som suave e encantador produzido pelos vocais (masculino e feminino) e pelos instrumentos. Dá pra se sentir novamente como um personagem de um conto de fadas, a música tem uma fantasia inerente para que se possa viajar para novas terras e mundos. Os teclados são sensacionais e brilhates nessa canção, às vezes com solos excepcionais e às vezes apenas como "preenchimento". A canção anterior e esta são os pontos fortes deste álbum brilhante.

"Epílogo" representa o que o nome sugere, apenas a parte final desta história. É uma passagem curta e instrumental cheia de flauta e percussão requintados. Uma bela maneira de terminar este grande álbum.

São quarenta minutos de boa música feitas por esta banda espanhola. Uma adição fabulosa para qualquer amante de prog, principalmente para os amantes de prog sinfônico.


Tracks:
1. Descenso en el Mahellstrong (5:27) 
2. Amantes de le Irrealidad (6:15)
3. Cobarde O Desertor (4:56)
4. Buenos Deseos (3:54)
5. Marchanda Una del Cid (Pt. 1, 2) (7:45) 
6. Si Todo Hiciera Crack (10:11)
7. Epillogo (2:19)
Total Time: 40:47

Musicians:
- Alex Cabral / bass
- Alberto Fontaneda / guitar, flute, vocals
- Mento Hevia / keyboards, vocals
- Manolo Jiménez / drums
- Rafael Rodríguez / guitar

Format: mp3 (320 kbps) = 95 mb = Yandex
Format: flac (tracks + cue) = 257 mb = Yandex / pass = progsounds

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Gotic - Escens [978] - Spain / Espanha


GOTIC  foi uma banda espanhola de rock progressivo que lançou somente esse disco.

O som do GOTIC é uma música leve, otimista e de alta qualidade que nos leva a uma combinação do som quente e relaxante do CAMEL com os primeiros discos do PFM e usando como liga os sons étnicos espanhóis da Cataluña.

A banda foi formada no final dos anos 70 pelo famoso Rafael Escote no baixo, Jep Nuix (Flauta e Flautim), Jordi Vilaprinyo (Teclados) e Jordi Marti nos tambores e percussão.

As influências principais do seu único álbum, "Escenes", lançado em 1978 são o Camel e PFM, mas existe outra influência, fácil de se identificar, o Prog do Gentle Giant e um estilo de fusion que me remete aos teclados do Chick Corea no Return to Forever.

A melhor música do álbum é o épico de 10 minutos "Historia d'una Gota d'Aigua" (a História de uma Gôta d'Água) com uma mudança dramática entre a descontração da introdução e a seção final de tirar o fôlego.

Infelizmente eles não tiveram a chance de evoluir, porque o álbum de debut foi mais do que promissor. Mas, como uma consolação Rafael Escote tem uma carreira muito prolífica como membro do grupo de fusion Pegasus onde ele atua como solista. 

Resenha por


Tracks:
1. Escenes de la terra en festa I de la mar en calma (4:02) 
2. Imprompt I (5:53) 
3. Jocs d'ocells (3:33) 
4. La revolucio (4:08) 
5. Danca d'estiu (3:30) 
6. I tu que ho veies tot tan facil (5:39) 
7. Historia d'una gota d'aigua (10:14)
Total Time: 36:59

Musicians:
- Rafael Escoté / bass, gong, claps 
- Jordi Martí / drums, percussion, claps 
- Jep Nuix / flute, piccolo, claps 
- Jordi Vilaprinyó / keyboards, synthesizers 
+ Jordi Codina / classical guitar (7) 
- Josep Albert Cubero / acoustic & electric guitars (2-6-7) 
- Jordi Vidal / effects

Format: mp3 (320 kbps) = 84 mb  = Mega / pass = muro
Format: mp3 (320 kbps) = 84 mb = Zippyshare / pass = muro

Pesquisar este blog

WORLD