Mostrando postagens com marcador pollen. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pollen. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Pollen - Pollen [1976] - Canada


POLLEN é uma dessas bandas que poucas pessoas já ouviram falar de fora dos círculos de Prog Rock, e ainda assim eles eram muito talentosos. A banda excursionou durantes os anos 70 juntamente a nomes mais conhecidos. Oriundos de Quebéc lançaram apenas um álbum em seus dias de glória. A música contida no álbum é sofisticada e bonita trilhando o Prog Sinfônico que irá deliciar os fãs da banda ANGE, YES, HARMONIUM, e GENESIS. Os vocais são em francês e cobrem diversos temas, tais como a urbanização, o catolicismo, a vida em outros planetas, e as nossas próprias existências após a morte. Mas temas à parte, é um Prog Rock muito bem tocado e que brilha com teclados analógicos, ótimo trabalho de guitarra e percussão variados, flautas e vibrafones que adicionam toques agradáveis as melodias. Os arranjos são complexos e interessantes e o clima da música é bastante otimista. O logotipo da banda é adornado com a folha da planta da maconha, talvez, dando ao ouvinte "um aperto de mão secreto" da banda em maximizar a experiência de audição de POLLEN.

"Vieux corpo de vie d'ange" começa com um GENTLE GIANT "enlouquecido", (assustadora e agressiva), mas felizmente rapidamente fazem o sua própria sonoridade evidente. O POLLEN pode executar ter partes que soam como seus heróis, mas eles certamente não se debruçam sobre eles. Riffs fantásticos de teclado, grande bateria, violão e os vocais emocionais de Rivest, estão presente nessa abertura. 

"L'etoile" começa com violão e teclados que ficam mais intensos com a entrada da bateria e toda a trilha é bastante satisfatória. 


"L'Indien" é uma peça tranquila com suava vocal soando como o HARMOMIUM. Uma encantadora música folk. Na segunda metade os poucos teclados adicionados ao fundo acompanham a harmonia vocal no final.

"Tout'l Temps " é um Rock otimista com um distintivo teclado repetitivo que parece um pouco "cafona", mas a trilha irá agradar aos fãs de teclados antigos. 


"Vivre la mort" soa como ANGE e sua abordagem teatral muito vistosa e extrovertida, a banda se diverte com uma música animada e "saltitante". No meio a bateria para e o tom de voz muda para uma seção de solo "Spacey" de teclado e guitarra que é maravilhoso. Um minuto depois, a bateria volta e a música ganha um final de propulsão com os teclados e guitarra duelando. 

"La femme ailee" é o verdadeiro épico do álbum. Começa com guitarra clássica bonita logo acompanhado por teclados adoráveis com passagens que lembram Rick Wakeman.  É uma peça melancólica, voltada para um sentimento de tristeza. Cerca de três minutos há uma pausa e nós ouvimos um vento soprando. O grupo se desvanece-se novamente com acústica e vocal em primeiro lugar e, em seguida, toda a banda retorna, de uma forma muito majestosa. Uma seção de solo de órgão antes da banda retornar com uma parte de riffs,. Os dois minutos finais são simplesmente um exercício de brilhante clímax sinfônico que irá agradar a qualquer fã do gênero. A trilha é muito complexa e melódica.


Recomendado a todos os fãs de Symphonic Prog. O livreto contém belas fotos e história da banda, juntamente com letras em francês. É uma pena que não continuaram seu trabalho e não permaneceram juntos por mais álbuns, mas esta versão é "o único material gravado disponíveis da nossa incrível aventura" pelo vocalista Tom Rivest.



Tracks:
1. Vieux corps de vie d´ange (7:11)
2. L´étoile (6:24)
3. L´indien (4:50)
4. Tout l´temps (3:26)
5. Vivre la mort (5:28)
6. La femme ailée (10:30)
Time: 37:29

Musicians:
- Jacques Tom Rivest / vocals, bass, acoustic guitar, keyboards
- Sylvain Coutu / drums, vibraphone, percussion
- Claude Lemay / keyboards, flute, vibraphone, bass, vocals
- Richard Lemoyne / electric and acoustic guitar, keyboards, bass

Format: mp3 (320 kbps) =  89 mb = get it here

Pesquisar este blog

WORLD